Muito irá ser escrito e proclamado perante a actual necessidade de inverter as tendências prejudicialmente instaladas no Vitória.  Sinto o dever de não fugir a essa regra.

   

Fá-lo-ei na qualidade de vitoriano (já não associado, mas que já tive esse atributo durante mais de 30 anos), e ainda como ex-dirigente por duas vezes e como ex-atleta.

   

Não estabeleço paralelismos com outros clubes, nem tão pouco sugiro que se copiem modelos já existentes e muito bem sucedidos.  Mas é chegado o momento de credibilizar o Clube e dobrar o “Cabo das Tormentas”.

   

Coragem e paixão clubística, são os ingredientes para o futuro.

   

Estou a eximir-me de qualificar as exibições da equipa de futebol ou de atribuir qualquer culpabilização ao treinador – que definitivamente não a teve  – ou de me referir a decisões obsoletas e deslocadas do contexto moderno, da Direcção do Clube – que sim, aí tem culpas – porque eu ao resistir a essa tentação, não me coloco a jeito, como porventura daria algum gozo aos actuais dirigentes.

   

Insisto na já referida “fórmula semântica”: Coragem E Paixão Clubística”.

   

Vem tal a propósito de dizer que já basta de “nabos” e que esses não continuem a inalar os odores da sua “essência”.

   

O Vitória necessita de profissionais, não de amadores;  o Vitória necessita de ser norteado por decisões corajosas e apaixonadas, reitero.

   

É chegado o momento de colocar à frente dos desígnios do Clube um GESTOR profissional concentrado na realidade do Vitória. Independente;  mesmo que não goste de futebol, nem tenha qualquer co-relação clubística.

   

Um Gestor Desportivo, que muitos existem em Portugal, disponíveis e credenciados, acaba por ser um gestor de empresas adaptado a um clube desportivo, mas que tem o sentido dos quatro fundamentos basilares da gestão actual e que os clubes exigem: a) Planeamento Estratégico, b) Gestão de Recursos Humanos, c) Planeamento Financeiro e c) Gestão de Sistemas de Informação.

   

O Gestor dirige as Funções Estratégicas e não mistura os atributos e funções da Direcção do Clube com as suas próprias funções de gestão. É disto que o Vitória necessita para acabar de vez com a inebriante inalação da “Essência do Nabo”.

   

Tenho dito!

The following two tabs change content below.

Álvaro Oliveira

Técnico de Logística e Transportes e ex-Gestor - Reformado

Últimos textos de Álvaro Oliveira (ver todos)