Porque aparecemos, e qual o nosso papel na Terra, é missão impossível de esclarecer,pelo menos por enquanto!
Para uns, somos filhos de um Deus criador, Senhor Todo Poderoso que nos fez à sua imagem e semelhança. Outros acreditam que somos tão somente terrenos, e que a morte é apenas o fechar o ciclo da vida, e que com ela termina qualquer elo de ligação com quaisquer outras formas de existência; outros ainda, acreditam no aperfeiçoamento da Alma através da reencarnação e em vidas passadas e futuras. Com o respeito que nos devem merecer todas as crenças ,desde que não colidam com os valores e vidas do Homem, parece estarmos umbilicalmente ligados ao Cosmos, seja lá o que isso na realidade for, já que a nossa ínfima pequenez não pode alcança a verdadeira dimensão deste conceito.
São inúmeros os exemplos da influência desses factores no nosso comportamento e nas reacções que no Homem provocam. Os ritmos circadianos, a influencia das radiações solares, das marés, da Lua, e de inúmeros mais fenómenos. Uns bem conhecidos desde já, outros ainda já sob suspeição, e outros ainda muito longe do alcance dos nossos modestíssimos conhecimentos.
Somos uma forma de vida parecida com tantas mais, mas em que a consciência do Eu, parece tornar-nos muito diferenciados das outras espécies do Planeta Terra. Se contudo soubermos que entre a genética da couve ou do Homem as diferenças não são tão importantes como à partida seria de esperar,ficamos atónitos e interrogativos!
Somos o que somos por mero acaso, ou somos afinal a Espécie privilegiada que queremos e julgamos ser?
Seja de que modo for, a nossa união ao Cosmos é a razão primeira da nossa existência como espécie! A Raça Humana,como orgulhosamente nos intitulamos!
Para sobrevivermos como tal,encontramos modos de associação e mecanismos de adaptação que nos permitiram chegar até aqui! Aprendemos que não são os mais fortes ou inteligentes os que sobrevivem, mas sim os que melhor se adaptam às circunstancias que a Delegada do Cosmos, à qual chamamos de Natureza nos impõe!
Devagar, devagarinho, mas fomos aprendendo que agressões àquilo a que chamamos de Natureza, trazem consequências nefastas não só ao Homem como a todas as Espécies com vida, com desvios do padrão que o Cosmos “na sua infinita sabedoria” nos exige e impõe. A Natureza pode esperar, mas não perdoa!
Contudo temos todos sido vítimas de fundamentalistas que a maior parte das vezes mais não são do que “Homens de Negócio, travestidos de Sapientes Sábios, mas de interesses bem materiais”. Deles nos teremos que livrar pois são falsos profetas que, têm apenas como fim o agio, servindo-se de meias verdades e falsas promessas.
No outro extremo estão os que, em nome de bonitas palavras e falsos conceitos, arvoram bandeiras de civilização, liberdade, e outros termos aliciantes na forma, mas vazios de conteúdo.
O Homem não nasce livre! A autodeterminação com que foi dotado não é grátis! Faz parte de um pacto de não agressão com a Natureza e com o Cosmos dos quais é parte integrante.
E os pactos, quando não cumpridos têm sempre um preço!
Sempre negativo para quem se julga soberano e altaneiro. Sempre a parte mais fraca.
Cuidemo-nos pois! A sabedoria é apenas a capacidade de saber ler os sinais.
E quando não soubermos o caminho certo, teremos que ter sempre a certeza de qual é o caminho que nos recusamos a percorrer.
Fotografia de Smithsonian Institution

The following two tabs change content below.

Mendes Ferreira

Ortopedista e Médico do Trabalho
Médico Especialista Cirurgia Ortopedia e Traumatológica; Assistente Hospital Universidade de Coimbra; Médico Hospital de Faro e Setúbal; Médico do Trabalho em diversas Organizações e Empresas; Clínica Privada em Lisboa e Setúbal. Actualmente gozando a sua reforma, faz o que lhe dá na gana, já que a sua activa vida não lhe concedia tempo, diversificando actividades e atenção , acabando...por não ter tempo para fazer tudo aquilo que gostaria de fazer...

Últimos textos de Mendes Ferreira (ver todos)