Por estes dias, os principais órgãos de informação portugueses, televisões à cabeça, deram impressivo destaque à história de uma mulher que, após o parto, deixou o hospital de faro com a criança recém-nascida. A história chegou a abrir telejornais, foi tema de capa na imprensa e acabou por se transformar num folhetim. No capítulo 1, a mãe “fugiu” do hospital com o bebé; no capítulo 2, voltou e entregou o recém-nascido aos cuidados hospitalares; no capítulo 3, foi detida, presente ao juiz e impedida de ver o filho sem estar acompanhada. Finalmente, no capítulo 4, contou-se que a protagonista desta estória ainda não foi ao hospital ver a criança.

Pelo meio, “informou-se” que a mãe em causa, que se mostrou arrependida do acto, é uma jovem toxicodependente que trabalha com idosos e crianças, receosa de não conseguir prosseguir a sua actividade profissional, dada a elevada exposição mediática a que foi sujeita. Com razão, porque houve inclusivamente jornais que, contra toda a ética profissional, não se coibiram de referir o seu nome e apelido.

Depois de toda esta saga pseudo-informativa, e apesar do presidente da administração do Centro Hospitalar do Algarve, Pedro Nunes, ter dito que a mãe o tratou “muito bem” o bebé depois de o ter levado do hospital de Faro; que a instituição não a vê como “uma criminosa” nem encara o acontecido como “um rapto”, o certo é que a jovem se transformou numa criminosa aos olhos do público, sem apelo nem agravo. Tudo isto configura mais um exemplo de jornalismo sensacionalista, indicador da frequente ausência de sentido ético e de responsabilidade social que deve ser a base das notícias, que caracteriza, mesmo que pontualmente, a generalidade dos Media.

Sabe-se que aquilo a que se chama “sensacionalismo” ou “jornalismo tablóide” se caracteriza por uma aposta nos sentimentos/emoções das audiências, ampliando e dramatizando assuntos, muitas vezes sem a menor importância, e alimentando a sua novelização ao longo de vários dias. Para isso, entrevistam-se especialistas, testemunhas, acusados, até simples curiosos. E para este caldo ficar melhor condimentado, juntam-se-lhe notícias de casos parecidos, a ponto do assunto parecer ter uma importância societal que, na verdade, não possui. Foi o que aconteceu desta vez. Ainda na passada segunda-feira, Judite de Sousa, no jornal das oito da TVI, se referia a “outro caso que está chocar a opinião pública”, o de uma portuguesa emigrada em França, que matou uma filha menor e agora tem outra a cargo; e entrevistava-se a mãe filicida.

Este “jornalismo de fancaria”, como aqui lhe chamo (não, não se trata de “infotainment”, esse é, por exemplo, o caso de Jon Stewart que, no “Daily Show”, entretém, ao mesmo tempo que informa e dá corpo a um olhar crítico) enxameia jornais e televisões, mais interessados no controlo de custos, no resultado comercial e na percentagem do “share” do que em informar verdadeiramente os públicos, sobre as grandes questões da nossa sociedade e do mundo em redor.

De “fancaria” é igualmente a atitude da Europa face às levas de emigrantes clandestinos, entretida a discutir critérios para a panaceia de novas quotas de refugiados por país membro, enquanto homens, mulheres e crianças cruzam o roteiro da morte nas águas do Mediterrâneo, rumo a Itália e à Grécia. Ou desesperam aos milhares nas “selvas” de Calais, na busca de conseguir atravessar o túnel ferroviário sob o Canal da Mancha, rumo a um Reino Unido que olham como um Eldorado. E assim cresce dia-a-dia uma Europa sitiada, que multiplica trincheiras na forma de muros e barreiras, e se defende dos “invasores” com cada vez mais polícias e cães.

Trata-se de uma questão dramática e humanitária que encontra a sua génese no funcionamento do sistema mundo, na fome e na guerra que atravessa os continentes africano e asiático, muito por culpa das intervenções que um capitalismo ocidental desregrado, selvagem e agressor tem realizado nessas geografias, para servir os interesses geo-estratégicos, como os do industrialismo militar, os das petrolíferas e de outras grandes companhias multinacionais. Mas disto não sabemos pelas notícias que, dirão, apenas se cingem aos factos, como se eles fossem uma coisa em si própria.

Fotografia de guymoll

The following two tabs change content below.

Mário Contumélias

Etno-sociólogo e autor
Mário Contumélias, natural de Setúbal (S.Julião). Autor (30 livros publicados – Poesia, Romance, Histórias para crianças, Jornalismo/Sociologia). Escritor de canções (finalista de sete Festivais RTP; “O Areias”; “Visitas”…) Prof. Universitário; cientista-social (investigação mais recente no âmbito do Projecto “Values, Institutional Quality, and Development”, 2014). Doutorado em Sociologia. Licenciado em Antropologia Social. Foi também Jornalista.

Últimos textos de Mário Contumélias (ver todos)