O Dia Internacional dos Direitos Humanos é comemorado em todo o mundo a 10 de Dezembro. Entre este dia e o 25 de Novembro(1) decorreram os 16 Dias de Activismo, em que as feministas e activistas dos direitos das mulheres denunciam discriminações e sensibilizam toda a sociedade para lutar pela sua erradicação.


Neste Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA) um projecto que a UMAR iniciou há 10 anos, deu conta dos números de mulheres assassinadas em 2014 e desde 2004 até agora. Desde 2004 morreram 396 mulheres às mãos dos seus companheiros, ex-companheiros, familiares. Uma média de 40 por ano. Para além dos femicídios, houve 458 tentativas de homicídio. Este ano, já foram mortas 40, das quais 7 no distrito de Setúbal que fica assim com a pior cifra a nível nacional.


Quer nos casos consumados, quer nas tentativas de homicídio, surge em evidência um historial de presença de violência doméstica na relação de conjugalidade ou de intimidade entre a vítima e o agressor. A maioria dos casos ocorreu na família em relações íntimas presentes ou passadas. Uma verdadeira guerra civil no lar, aquele sítio que, à partida, imaginamos como o mais seguro e aprazível para se viver!


Desde que me conheço enquanto feminista e activista dos direitos das mulheres, que têm sido muitas as vezes que tenho falado e escrito sobre a violência ou as violências sobre as mulheres. Aflige-me constatar que por muito que se fale e por muitas vezes que se fale, o tema nunca está esgotado, antes parece que se reproduz e nunca tem fim à vista. Aflige-me a banalização, a naturalização, a normalização do problema.


“Vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar” lembram-se da canção? Mas o mal é que se ignora. A violência de género entrou na rotina e anestesiou as sociedades. Estamos de fora, não nos afecta a nós. Mas será mesmo assim? Pode-nos vir a afectar – os números dizem que em 3 mulheres uma já foi ou será vítima de violência – mas mesmo que não nos afecte, intervir, denunciar, apoiar e lutar pela erradicação são deveres da cidadania e de uma sociedade decente. São conhecidas experiências que mostram como as pessoas fingem desconhecer, tapam os olhos, evitam encarar e denunciar situações de violência que estão logo ali na casa ao lado, na rua por onde circulamos, dentro do elevador. Temos que “meter a colher”, ser definitivamente intolerantes para com a violência.


Num ano os dados apontam para uma diminuição, no outro há um aumento e assim sucessivamente. A frieza dos números – registadas 27 318 participações de violência doméstica por parte das forças de segurança, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2013 (2), de que resultaram 40 homicídios conjugais (30 mulheres e 10 homens) – tem de ter uma tradução nas consciências de que são PESSOAS que foram maltratadas e a algumas foi mesmo retirado o direito básico a viver. Segundo dados do RASI do primeiro semestre de 2014, as polícias receberam 13 071 participações, ou seja, 73 queixas por dia, isto é, 3 queixas por hora.


Sabemos que o aumento das participações corresponde a uma maior consciência dos direitos que levaram a que alguém deixasse de ter vergonha, que alguém decidisse intervir, que alguém deixasse o silêncio e pedisse ajuda. Sabemos que o facto de haver mais participações não significa que agora há mais violência do que antes. Não. Agora há mais consciência dos direitos, as campanhas e as organizações de direitos das mulheres têm feito um caminho, mas é impossível que esta constatação nos satisfaça. Uma que seja é uma vida que foi abusivamente retirada. “Nem mais uma!” é a campanha das feministas bascas da Marcha Mundial das Mulheres que exibem uma braçadeira e vão para a rua, sempre que uma mulher é morta.


A violência contra as mulheres é um problema de poder, de justiça, de igualdade, de educação, de segurança e deriva de uma discriminação de género que está na base da sociedade patriarcal em que vivemos. Quando lemos as notícias, é recorrente surgir o ciúme, as atitudes possessivas, o controlo, a incapacidade de lidar com o sentimento de perda como “explicações” para os femicídios. Há que desfazer alguns mitos e narrativas que tentam explicar e desculpabilizar este crime com o álcool ou a crise. Certamente que a crise é potenciadora de atitudes de frustração, depressão e revolta, mas não é determinante nem pode ser desculpa para a consumação de crimes.


Temos leis. Temos planos contra a violência de género. Mas não podemos tolerar o massacre que é a vida, as vidas de milhares e milhares de mulheres. A lei não basta; por isso, os membros da sociedade têm que intervir, denunciar e não fechar os olhos. A prevenção é fundamental, as campanhas, todos os meios que eduquem para o respeito, a não discriminação, a cidadania têm de ser constantes e eficazes. A justiça tem que ser rápida e tem que dar sinais claros de que protege as vítimas e pune os agressores.


A violência mata! Basta! Nem mais Uma!


(1) Desde 1999 que a ONU instituiu a data do 25 de Novembro como Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres. Data para mobilizar a sociedade em todo o mundo e data escolhida para homenagear as três irmãs Mirabal, activistas na luta contra o ditador Trujillo da República Dominicana, mortas nesse dia no ano de 1960.
(2) Relatório Anual de Segurança Interna 2013

Fotografia de capa por daathi2

The following two tabs change content below.
abento@setubalnarede.pt'

Almerinda Bento

Aderente do Bloco de Esquerda
abento@setubalnarede.pt'

Últimos textos de Almerinda Bento (ver todos)