Na passada segunda feira, dia 30/03, o INE divulgou os números provisórios da taxa de desemprego em Fevereiro, estimada em 14,1%. Portugal continua a ser dos países da UE, um dos que apresenta maior taxa de desemprego. Só Espanha com 23,2% e Grécia com 26,0% estão pior neste contexto. Isto quer dizer que 719,6 mil pessoas foram atingidas por este flagelo, mais 11,7 mil do que em janeiro.


Enquanto isso o governo PSD/CDS continua com a mesma tática de sempre. Esconder e encapotar estes números negros do desemprego com medidas avulsas como cursos de formação e os estágios que não resultam em contrato de trabalho, já para não falar da saída de milhares de jovens para o estrangeiro, coisa que até convém a Passos Coelho tendo este no inicio do seu mandato, o desplante de oferecer a porta da saída às mulheres e homens que não conseguem trabalho no seu próprio país.


A política deste governo não se centra nas pessoas, não é o combate ao desemprego. Para Passos Coelho e Paulo Portas o que interessa é a perpetuação da austeridade e a continua degradação das condições de vida dos cidadãos a que, em jeito enganador, chamam de reformas. Os únicos que interessa proteger não são os mais desfavorecidos e os mais necessitados. As campainhas do alarme só tocam quando há uma lista de VIP. Já todos sabemos quem são, os mesmos que nos querem condenar a anos e décadas de empobrecimento: Presidente Cavaco Silva, 1º Ministro Passos Coelho, o irrevogável Paulo Portas e o Secretário de estado Paulo Núncio.


O Bloco de Esquerda continuará a lutar por uma política que coloque o país na senda do progresso, que devolva direitos, salários e pensões a quem mais precisa. Todas e todos sabem que o BE honra os seus compromissos, por isso mereceu de novo a confiança expressa no voto dos eleitores madeirenses no passado dia 29 de Março. Essa confiança traduziu-se no melhor resultado de sempre do Bloco nas eleições para a Assembleia Regional Legislativa com a eleição de dois deputados, contribuindo deste modo para mais democracia naquele órgão político e para o recuo da direita na região autónoma da Madeira.

The following two tabs change content below.

Carlos Oliveira

Deputado na Assembleia Municipal de Palmela
Nascido no Hospital do Montijo em 26-04-1977. Oriundo de uma família humilde passa a Infância em Lagameças, na zona rural do Concelho de Palmela. Frequentou a Escola Primária de Lagameças entre 1983 e 1987, prosseguindo depois para o Ciclo Preparatório e Escola Secundária em Palmela até 1995. Emprega-se em 1997 na empresa Salemo & Merca Lda. no ramo da industria metalomecânica tendo chegado à categoria de Serralheiro Mecânico de 1ª. Atualmente trabalha na empresa Acciona Service no Parque Industrial AutoEuropa. Com um percurso desde cedo ligado ao associativismo, adere ao Bloco de Esquerda em 20 de Janeiro de 2011 e sindicaliza-se em 06 de Junho de 2013 no SITE-Sul. Residente em Pinhal Novo desde Dezembro 2003, é atualmente Deputado na Assembleia Municipal de Palmela cargo para o qual foi eleito em Setembro de 2013 pelo Bloco de Esquerda.

Últimos textos de Carlos Oliveira (ver todos)