Perdoem-me a analogia um pouco ousada e lúgubre desta minha crónica, mas, pelo que tem de insólita e hilariante, não consegui deixá-la de burilar neste espaço de opinião.

São raras as vezes que recorro às carreiras urbanas para me deslocar na cidade; não fora anteontem lá por volta do meio-dia, num autocarro apinhado de gente que dei conta de um diálogo entre dois provectos idosos e que me perpassou nas memórias do tempo.

Debatia-se a qualidade atual da cromagem dos para-choques dos carros. Melhor dizendo, dos para-choques do Volkswagen “carocha” pertencente a um dos sublimes dialogantes.

Reclamava aquele que, há três meses, tinha mandado cromar os para-choques numa tal empresa especializada, que lhe tinha custado uma pequena fortuna e que já começavam a aparecer sinais de ferrugem. “A cromagem já não se faz como dantes…”, insistia.

O seu companheiro de viagem, assentiu com ar reprovador e comentou: “isto agora a gente já não sabe o que é bom. É tudo uma aldrabice, pagamos um dinheirão e somos mal servidos a toda a hora…”

Na acesa liça das palavras que saíam num turbilhão de diversas contestações e a que mais alguns passageiros davam as suas achegas, uma voz de uma senhora se ergueu e acrescentou: “…quando o meu marido foi para a tropa na Índia, passados uns meses fui ter com ele. Os mortos lá eram todos cromados e a gente que andava na rua às vezes até via eles prepararem aquelas coisas para deitarem os corpos em cima e pegar-lhes fogo. Agora quando querem cromar os mortos atiram-nos para um túnel e sai de lá as cinzas que as funerárias cobram fortunas à família…”

Retorquiu um dos interlocutores iniciais: “…ó vizinha, a gente do que está a falar é da cromagem dos para-choques não é da cromagem dos mortos…”, sem que retificasse a polissemia lexical.

Volta a senhora: “…pois é, mas seja com os mortos ou com os para-choques é como você disse, a cromagem já não se faz como dantes…”.

Eu também concordo!!!

Fim da viagem na carreira 608.

Fotografia de capa por mlpeixoto

The following two tabs change content below.

Álvaro Oliveira

Técnico de Logística e Transportes e ex-Gestor - Reformado

Últimos textos de Álvaro Oliveira (ver todos)