Oussama Mellouli, atual campeão olímpico na natação em águas abertas, é um dos 125 nadadores já confirmados numa prova de apuramento olímpico a realizar a 11 e 12 de junho em Setúbal, a partir do Parque Urbano de Albarquel

As águas do rio Sado recebem, pela segunda vez, uma prova de qualificação olímpica, com a FINA Marathon Swimming Olympic Qualification Tournament – Setúbal 2016 2016 a apurar os últimos trinta atletas daquela disciplina da natação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no Brasil.

“Setúbal volta a receber os melhores atletas do mundo em natação de águas abertas”, sublinhou a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, na apresentação da prova internacional com dez quilómetros realizada esta manhã no Made in Café, no Parque Urbano de Albarquel.

Neste momento, a maratona aquática tem a presença confirmada de 125 nadadores, 54 mulheres e 71 homens, em representação recorde de 52 países. “Número impressionante porque, em 2012 [ano em que decorreu a prova de qualificação para os Jogos Olímpicos de Londres], tinham marcado presença apenas 25 países”, realçou a autarca.

A elite mundial da natação em águas abertas marca presença em Setúbal para tentar carimbar o passaporte para a competição do Rio de Janeiro. Entre os nadadores está o tunisino Oussama Mellouli, atleta que volta a marcar presença no Sado para tentar iniciar o processo de reconquista do ouro olímpico de 2012.

Maria das Dores Meira vincou que a prova, um dos destaques do calendário desportivo de Setúbal Cidade Europeia do Desporto 2016, “é o único evento realizado em Portugal que classifica atletas diretamente para os Jogos Olímpicos e a uma escala mundial”, com nadadores provenientes de vários continentes.

Nas provas feminina e masculina, ambas com início às 16h00, os nadadores tentam conquistar uma das três dezenas de vagas ainda disponíveis, 15 nas mulheres e outras 15 para os homens. O apuramento, limitado a apenas um atleta por país, carimba o passaporte olímpico aos dez primeiros classificados de cada sexo e a mais cinco, um por continente.

O facto de se apurar apenas um atleta por país dá aos quatro nadadores portugueses presentes – Angélica André, Vânia Neves, Rafael Gil e Vasco Gaspar –, a possibilidade de conseguirem o apuramento, à semelhança do que aconteceu há quatro anos, com o português Arseniy Lavrentyev a alcançar esse objetivo.

“É uma competição extremamente tática, já que pode garantir o apuramento olímpico e marcar toda a vida desportiva de um atleta”, exaltou a edil setubalense, ao projetar que que “as emoções vão estar ao rubro”, com“um lote dos melhores atletas do mundo a dar o tudo por tudo por um lugar no pódio”.

O facto de se tratar de uma qualificação olímpica, esta prova, orçada em cerca de 400 mil euros, conta com especificidades e alterações logísticas e de organização quando comparada com outras competições da Taça do Mundo de Natação em Águas Abertas realizadas em Setúbal ao longo dos últimos anos.
Uma dessas alterações reside na obrigatoriedade de, nesta competição, a partida ser dada de uma plataforma fixa colocada na água. Outra refere-se aos abastecimentos, que são realizados numa plataforma de grandes dimensões, com capacidade para cerca de quarenta pessoas, colocada no circuito aquático.

A competição, que decorre num circuito aquático com a distância de dez quilómetros, realiza a qualificação feminina no dia 11, enquanto a masculina decorre a 12. A prova é uma organização da Federação Portuguesa de Natação e da Câmara Municipal de Setúbal, com várias parcerias institucionais.

Na apresentação da FINA Marathon Swimming Olympic Qualification Tournament – Setúbal 2016, o vice-presidente da Federação Portuguesa de Natação, Manuel Freitas, fez questão de dar particular relevo à relação institucional com a autarquia setubalense.

“Esta relação profícua resulta na confiança total da Federação Internacional de Natação para a realização de provas de qualificação olímpica”, destacou, para adiantar que a parceria de colaboração foi renovada, o que mantém etapas da Taça do Mundo de Natação em Águas Abertas no Sado até 2020.

Sobre as perspetivas de qualificação portuguesa para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, Manuel Freitas mostrou-se confiante. “Acreditamos plenamente que vamos conseguir apurar um atleta”, afirmou, recordando a excelente prestação de Angélica André no ano passado em Setúbal. “Temos todas as expectativas olímpicas.”

Além da competição nas águas do rio Sado, outro motivo de atração nos dias 11 e 12 são as acrobacias aéreas, com os aviões da Team Aerobática a cruzarem os céus da baía de Setúbal. “As exibições decorrem em ambos os dias, trinta minutos antes das provas”, explicou o presidente do comité organizador da prova, Luís Liberato.

O primeiro momento de qualificação olímpica desta modalidade decorreu em 2015, em Kazan, Rússia, durante a realização do 16.º Campeonato do Mundo de Natação em Águas Abertas, tendo sido apurados vinte atletas, dez homens e dez mulheres, grupo a que juntam mais 15 em cada género saídos da prova em Setúbal.

Para os dias 11 e 12 de junho, Maria das Dores Meira lançou o repto à presença da população. “Para que muitos possam partilhar a emoção dos vitoriosos, para que possam saudar a honra e sacrifício dos que deram tudo por tudo para chegar à frente, encham o Parque Urbano da Albarquel e as margens do Sado por onde passam os nadadores.”