Cerca de 160 embarcações de pesca e de recreio engalanadas participaram no círio fluvial das Festas de Nossa Senhora do Rosário de Troia, que, ontem à tarde, foi recebido por centenas de pessoas ao longo da zona ribeirinha de Setúbal. Para conhecer melhor esta festa veja a entrevista que o Setúbal na Rede fez, na semana passada, ao responsável pela comissão de festas e o video “da Igreja ao Mar em 3 minutos“.

 

O ponto alto das tradicionais Festas de Troia, que levaram à Caldeira, entre os dias 20 e 22, perto de 12 mil pessoas, cumpriu-se ontem à tarde, com o cortejo fluvial de regresso da imagem de Nossa Senhora do Rosário de Troia, transportada pela embarcação “Filipe e Pedro”.

“É uma festa de fé e de convívio entre as famílias com ligação ao mar”, salientou Armando Oliveira, presidente da comissão de festas, organizadas com o apoio, entre outros, da Câmara Municipal de Setúbal

O responsável frisou que “as pessoas colaboram cada vez mais para que a festa se realize e tenha continuidade”.

Além disso, de ano para ano, há “uma maior adesão”, tanto de embarcações como de público, que, este ano, voltou a marcar presença “em grande número”, entre o Parque Urbano de Albarquel e a Doca das Fontainhas, para receber o círio fluvial de barcos engalanados proveniente de Troia.

Este ano é de realçar, segundo Armando Oliveira, a presença, pela primeira vez, do novo bispo de Setúbal, D. José Ornelas de Carvalho, que “ficou maravilhado com esta demonstração de fé e esta grande festa do povo, confessando que nunca viu nada assim”.

O prelado veio na embarcação que transportou a imagem de Nossa Senhora do Rosário de Troia, na qual viajaram igualmente a presidente da Câmara Municipal, Maria das Dores Meira, e os presidentes da Junta de Freguesia de S. Sebastião, Nuno Costa, e da União das Freguesias de Setúbal, Rui Canas.

Depois de três dias de tríduo na Igreja de S. Sebastião, em Setúbal, a 17, 18 e 19, os participantes rumaram a Troia, no dia 20, para um convívio entre famílias, onde decorreram celebrações religiosas, divertimentos e bailes.

A embarcação “Rio Verde” venceu o tradicional concurso de barcos engalanados, a que seguiram a “Ana Fernandes” e a “Argonauta”, no segundo e terceiro lugares, respetivamente.