A petição pública pela construção do hospital no Seixal e por melhores cuidados de saúde no concelho foi hoje discutida na Assembleia da República.

A Câmara Municipal do Seixal considera que este foi um passo importante, uma vez que a petição, com mais de 8 mil assinaturas foi hoje discutida na Assembleia da República, onde estiveram presentes os Presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal do Seixal, demais eleitos nos diversos órgãos do Poder Local no Concelho do Seixal e ainda cerca de 200 Munícipes do concelho.

A maioria dos deputados na Assembleia da República em particular os Grupos Parlamentares do PCP, BE, PEV e PS frisaram a importância da construção deste equipamento e alertaram para as necessidades que a população dos concelhos do Seixal, Almada e Sesimbra sentem todos os dias, provocadas pela falta de equipamentos de saúde no Distrito de Setúbal. Tendo assumido o compromisso de tudo fazerem para que o processo de Construção do Hospital no Concelho do Seixal seja retomado o quanto antes, face à carência de meios na Península de Setúbal.

Importa lembrar que as populações dos concelhos do Seixal, Almada e Sesimbra sentem cada vez mais dificuldades para aceder a cuidados de saúde diferenciados e que as condições da prestação de cuidados de saúde pelo Hospital Garcia de Orta se têm vindo a deteriorar, encontrando-se inúmeros serviços em situação de total rutura.

Os últimos dados oficiais conhecidos apontam para um défice de 1.302 camas hospitalares na Península de Setúbal (49% abaixo da média nacional), e para um défice de 714 médicos hospitalares (47% abaixo da média nacional).

O Hospital Garcia de Orta, desde que entrou em funcionamento, está subdimensionado para a população que abrange, tendo sido concebido para responder a cerca de 150 mil habitantes, embora hoje seja o hospital de referência direta para cerca de 400 mil habitantes, para além de ser o hospital de referência em muitas especialidades para todo o sul do País e ter ainda de dar resposta aos milhares de visitantes no período estival.

Diversos estudos identificaram carências na prestação de cuidados de saúde hospitalares às populações dos concelhos do Seixal, Almada e Sesimbra. Recorde-se que em 2007 foram encerrados os Serviços de Atendimento Permanente no Seixal e em Corroios, estando apenas a funcionar o de Amora, cujo período de funcionamento foi reduzido em 2011. Esta situação obriga à deslocação da população para o Hospital Garcia de Orta.

A construção do Hospital no Concelho do Seixal e de novos Centros de Saúde são cada vez mais necessários e tratam-se de investimentos ao nível da saúde e bem-estar das populações, que cabe ao Estado garantir de acordo com os princípios constitucionais consagrados. A Câmara Municipal relembra que a 26 de agosto de 2009 foi assinado o Acordo Estratégico entre a Autarquia do Seixal e o Ministério da Saúde e aberto o concurso público para a elaboração do projeto do Hospital no Seixal. Este equipamento deveria estar construído em 2012.

O Hospital no Seixal representa um investimento de 60 milhões de euros. Trata-se de um equipamento de proximidade, vocacionado para os cuidados em ambulatório, com serviço de urgência a funcionar 24 horas, 72 camas, 23 especialidades e unidades de apoio domiciliário e de medicina física e de reabilitação.