A Câmara Municipal do Montijo comemorou, no dia 28 de Outubro, o Dia Municipal para a Igualdade com diversas actividades. A carrinha do Roteiro para a Cidadania em Portugal visitou algumas escolas no concelho. Na Universidade Sénior foi apresentado o livro “Avós e Netos no Mediterrâneo” e na Galeria Municipal realizou-se uma Mesa Redonda que contou com a presença de Catarina Marcelino, secretária de Estado Para a Cidadania e Igualdade.

Sob o tema “(Novos) Desafios para a Igualdade: Da Perspetiva Nacional ao Papel dos Municípios”, a mesa redonda teve início com um momento de poesia interpretado pelos alunos da Universidade Sénior do Montijo.

Nuno Canta, presidente da Câmara Municipal do Montijo, afirmou que a comemoração do Dia Municipal da Igualdade prende-se com a “ necessidade de valorizarmos os nossos concidadãos  a partir de um principio essencial ao desenvolvimento de qualquer cidade, que é de que ninguém é dispensável para a construção da cidadania”.

Para o autarca, apesar dos avanços nas políticas locais e nacionais, persistem desigualdades na sociedade portuguesa. “A luta contra as desigualdades é um imperativo de qualquer democracia e também da coesão social das cidades. As cidades mais desenvolvidas são aquelas que dispõem de uma democracia de maior qualidade e as sociedades mais avançadas socialmente são as mais tolerantes, as mais abertas e as mais justas e, também, as mais livres”., disse.

O painel de oradores foi composto por Raul Tavares (Diretor do Semanário SemMais) que moderou o encontro, por Paulo Côrte-Real, vice-presidente da Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero (ILGA) Portugal, Francisco Azul, representante da Associação de Mulheres Ciganas de Portugal (AMUCIP), Almerinda Bento, da União Mulheres Alternativa Resposta (UMAR) e de Sara Neto, da Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI).

Catarina Marcelino, secretária de Estado Para a Cidadania e Igualdade, afirmou que Montijo é “uma terra solidária, uma terra que investe na democracia e na cidadania. É uma terra de causas e de pessoas das quais me orgulho de fazer parte.”

“O que aspiramos é uma sociedade onde as pessoas possam viver em igualdade de direitos, igualdade de oportunidades, serem o quem querem ser. Esse é o nosso grande objectivo, que só é possível com uma dinâmica que começa por se ter a humildade de assumir que ainda falta fazer muito e faltará sempre fazer”, afirmou a secretária de estado.

Para Catarina Marcelinho é na educação que está a chave “A minha maior causa é a educação. A educação para a cidadania é uma estratégia que tem que ser concretizada. Estamos a trabalhar com o secretário de Estado da Educação para muito em breve podermos apresentar um projecto, uma estratégia nacional.”

A cerimónia terminou com a atuação do Coro da ILGA Portugal.