Os 149 anos da Sociedade Musical Capricho Setubalense foram assinalados no dia 22 de novembro, na sede da coletividade, no Largo da Misericórdia, onde decorreu uma sessão solene e um concerto da sua Banda de Música.

Durante a cerimónia, a Capricho recebeu uma oferta conjunta da Junta de Freguesia de São Sebastião e da União de Freguesias de Setúbal que decidiram unir-se para adquirir uma nova trompa para a coletividade. “Este ano, além da banda ter crescido, tivemos novos alunos na escola de música e ficámos com muitas limitações de instrumentos”, justificou o presidente da Sociedade Musical, adiantando ainda que “entraram dois novos alunos de trompa e não tínhamos instrumento para eles”. Nuno Marques frisou a forte relação de parceria com ambas as juntas de freguesia, que se “estreitou com estes dois presidentes: Nuno Costa e Rui Canas, por isso o nosso agradecimento pessoal a ambos”.

O presidente da Junta de Freguesia de São Sebastião enalteceu o “extraordinário trabalho desenvolvido” pela coletividade que considerou ser, a par de outras congéneres, “uma das principais responsáveis pela democratização do ensino e pelo ensino da música” em Portugal. Nuno Costa sublinhou também o protocolo de colaboração da Junta de Freguesia com a coletividade que, além de dar apoio à Capricho, viabiliza também diversas atividades da própria autarquia. “Todos ganhamos com isso, portanto desejo que esse protocolo se mantenha para que continuemos a trilhar este caminho juntos, ultrapassando os obstáculos”, expressou o autarca, fazendo votos de que a Capricho “continue com uma perspetiva solidária, transformadora da sociedade, inclusiva e humanizada”.

O presidente da Capricho revelou que, após um período de transição, renovação, crescimento e consolidação do atual projeto, nascido em 2007, a coletividade está a atravessar uma fase de “qualificação dos eventos, das atividades e das estruturas, adequando-as às nossas necessidades”. Neste âmbito, além das obras que se iniciaram no rés do chão da sede, com apoio da Câmara Municipal de Setúbal, houve uma renovação do instrumental e “está fechada uma proposta de novos estatutos que brevemente será colocada à discussão e aprovação dos associados”, afirmou Nuno Marques, indicando que os atuais estatutos datam dos anos 30, estando “desadequados”.

Sobre o próximo aniversário, no qual a Capricho comemorará século e meio de atividade, o dirigente expressou a intenção de que a data seja “marcante para a cidade, que dignifique a história da coletividade e que espelhe tudo o que a Capricho fez nos últimos 150 anos, projetando também o que a Capricho quer ser, pelo menos nos próximos 20 ou 30 anos”. Para tal, vai ser solicitada a colaboração das autarquias do concelho e de outras entidades “para a concretização do que consideramos ser um programa digno dos 150 anos da mais antiga coletividade desta cidade”, salientou Nuno Marques.

Na cerimónia esteve representada a Câmara Municipal de Setúbal, pelo vereador Manuel Pisco; a Confederação Portuguesa das Coletividades; a Federação das Coletividades do Distrito de Setúbal; e a Diocese de Setúbal, pelo Vigário Geral, Padre José Lobato. O Vitória Futebol Clube, a Academia Musical União e Trabalho de Sarilhos Grandes e o São Domingos Futebol Clube também marcaram presença, tendo entregue lembranças à coletividade aniversariante.

Durante a sessão solene foram entregues emblemas aos sócios que completaram 25 anos como associados e um emblema de ouro a Augusto Loureiro Inácio, antigo dirigente da coletividade. Os novos elementos da Banda de Música, entre os quais o presidente da Junta de Freguesia de São Sebastião, também receberam emblemas.

Seguiu-se um concerto da Banda de Música, dirigida pelo maestro Joaquim Silva, num momento alto que encerrou a sessão solene.