A candidatura cidadã Livre/Tempo de Avançar vai realizar uma assembleia distrital de subscritores de Setúbal com o intuito de “criar laços fortes com o território” e “tentar disseminar a semente do movimento pelos diferentes concelhos que constituem o distrito”, informa o interlocutor do Livre/Tempo de Avançar para o círculo eleitoral de Setúbal. Miguel Dias acrescenta que com esta assembleia, que se realiza no próximo sábado, no Mercado do Livramento, em Setúbal, pretendem “abrir a discussão do movimento em geral” e “fazer um ponto da situação aos subscritores do distrito, numa lógica de proximidade”, recolhendo “possíveis contributos”.

Miguel Dias_Livre_Tempo de Avançar_2O membro do movimento adianta que na assembleia distrital dos subscritores de Setúbal vai ser “abordada a eleição da representação do círculo eleitoral ao conselho do Movimento”. Miguel Dias refere que, numa primeira parte, na assembleia vai ser feito “um ponto da situação da candidatura cidadã por parte, de Rui Tavares, um os membros da comissão coordenador”.

Já numa segunda parte vão debruçar-se sobre “a temática de organização territorial”, tentando de alguma forma “lançar os alicerces para a construção de uma agenda local”, respeitando “as escalas administrativas”, avança o representante do movimento.

A candidatura cidadã Livre/Tempo de Avançar acredita que para minimizar os problemas do distrito de Setúbal “o enfoque deve estar na diminuição das desigualdades”, através da “criação de um modelo sustentável e sustentado, que possa aglutinar as diversas facetas da economia real”. O interlocutor da candidatura sublinha que é necessário que “as pessoas estejam no centro”, devendo-se “respeitar o território e o ambiente como contrato geracional” e também “como garante de qualidade de vida”.

O membro da candidatura considera que os principais problemas do distrito de Setúbal são “as gritantes desigualdades sociais e económicas, o desemprego, a pobreza infantil, os transportes públicos” e os “desafios ambientais”. Miguel Dias entende ainda que existem “graves problemas na saúde, educação e justiça, não sendo estes exclusivos do distrito”, mas antes de “uma consequência das políticas erradas seguidas pelo poder central”.

O representante do movimento afirma que “o espectro partidário português encontra-se cristalizado”, com “uma direita que não encontra dificuldades em se coligar” e em “aplicar injeções de austeridade que enfraquecem toda a nação”. Por outro lado, “uma esquerda que se fecha no contra sem nunca apresentar um como e não se perfilando como solução”.

Miguel Dias frisa que a candidatura cidadã Livre/Tempo de Avançar é “uma esquerda necessária, uma esquerda moderna e progressista”, que “quer dialogar”. O membro da candidatura assegura que “qualquer entendimento com outras forças progressistas tem de ser explícito e público”, havendo “sempre linhas vermelhas as quais não vão pisar”.

O representante do movimento, que se vai candidatar às próximas eleições legislativas, adianta que “vão fazer um programa em conjunto com a população”, procurando dar respostas às suas necessidades. Miguel Dias avança que o distrito de Setúbal é um “território com enorme potencial”, tendo “tudo para se poder chegar a si mesmo”, desde a “produção agrícola e pecuária, às pescas”, passando pela “indústria e turismo”.

O porta-voz da candidatura para o círculo de Setúbal esclarece que o Livre/Tempo de Avançar “não é um novo partido”, mas “é algo que suplanta a lógica partidária tradicional”, sendo um “movimento aberto à cidadania”, que em “conjunto vai fazer um projeto eleitoral, que vai ser um programa de Governo”. Miguel Dias revela que esta candidatura tem por objetivos “travar a política de austeridade e empobrecimento, defender o edifício do estado social em todas as suas vertentes”, salvaguardando “a Constituição da República Portuguesa de possíveis revisões que a possam descaracterizar”, pondo “em causa os direitos da população”.

O membro da candidatura cidadã Livre/Tempo de Avançar lembra que esta candidatura surge com o propósito de “fazer frente à grave crise que assola o país” e “para travar o aprofundamento das desigualdades daí resultante”. Miguel Dias sublinha que para que “esta resposta possa ter força suficiente houve a necessidade de criar um espaço político”, que “possa ser habitado por qualquer cidadã ou cidadão que queira efectivamente fazer parte deste processo”.

A candidatura cidadã Livre/Tempo de Avançar “é uma convergência entre o partido político Livre e a associação Fórum Manifesto”, a que posteriormente “se juntaram a Renovação Comunista e MIC-Porto”, bem como “inúmeros cidadãos independentes”, explica o interlocutor da candidatura. Miguel Dias convida os munícipes do distrito de Setúbal “a investigarem os conteúdos já patentes no site do Livre/Tempo de Avançar em www.tempodeavancar.net, onde “entre outras coisas podem tomar conhecimento das linhas pragmáticas que vão guiar a redação do programa eleitoral”.