O último fim de semana do verão de 2016, no Município de Santiago do Cacém, foi marcado por importantes atividades desportivas, no dia 17 de setembro. As altas rotações regressaram a Vila Nova de Santo André, com a última e decisiva etapa do Campeonato Nacional de Super Enduro, junto aos Bombeiros Voluntários locais; e em Santiago do Cacém as pulsações subiram com a 3.ª edição do Miróbriga Trail Run, que contou com mais de 400 participantes.

Vila Nova de Santo André assistiu à consagração de Luís Oliveira (na classe Prestige) e de Diogo Lopes (classe Open) como Campeões Nacionais de Super Enduro 2016, sendo que este último segurou a 1.ª posição mesmo sem competir, devido a lesão. Álvaro Beijinha, Presidente da CMSC, congratula-se com “mais um evento que colocou Vila Nova de Santo André no mapa nacional dos amantes do desporto motorizado, pois foi aqui que se decidiu o campeão nacional. Foi um evento que contou com muito público, naquilo que é também uma estratégia que nós temos vindo a procurar, que é, cada vez mais, associar a cidade de Santo André aos desportos motorizados”. O Presidente da CMSC recorda que “é em Vila Nova de Santo André que está o único kartódromo da região. Tem-se intensificado esse objetivo de trazer cada vez mais iniciativas de desportos motorizados para a cidade, seja no kartódromo ou fora dele. Está de parabéns a organização”, que esteve a cargo da associação local Motorsport e da Junta de Freguesia de Santo André, com o apoio da CMSC, sob a égide da Federação Portuguesa de Motociclismo.

super-enduro-02

Em Santiago do Cacém, o União Sport Club e a União de Freguesias de Santiago do Cacém, Santa Cruz e São Bartolomeu da Serra, com o apoio da CMSC, levaram a cabo o III Miróbriga Trail Run. Mais de 400 participantes, entre a prova principal (17 km) e a caminhada (10 km), percorreram alguns dos mais belos e exigentes trilhos locais. Álvaro Beijinha considera o número de participantes “um número notável apenas para a 3.ª edição, este ano com um percurso extremamente exigente. O sentimento generalizado de quem participou e organizou é que a iniciativa correu bastante bem”. O evento “é também uma forma de dar visibilidade à cidade, pois o percurso passa pelos sítios mais emblemáticos da cidade de Santiago do Cacém e isso é importante, fundamentalmente para quem nos visita, mas também para alguns habitantes locais, muitas vezes não conhecem com pormenor alguns dos sítios onde o percurso passou”, ressalva o Presidente da CMSC.