O presidente da Câmara Municipal da Moita após uma reunião com o secretário de Estado da Administração Interna está a aguardar a resposta sobre uma possível permuta que pode permitir que se avance para a construção de um novo posto da Guarda Nacional Republicana (GNR) no concelho. Rui Garcia espera que “este seja um processo muito rápido”, em que “haja vontade do Ministério da Administração Interna (MAI) em resolver esta situação que tem prejudicado a GNR e a população”.

Fachada GNR Moita (2)O edil refere que após receber a proposta do MAI a autarquia aceitou estabelecer a permuta que consiste em a câmara “ceder um terreno” para a construção de raiz de um novo posto da GNR e em troca o ministério dá “o antigo quartel da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Moita”, que é sua propriedade. Rui Garcia recorda que o antigo quartel “encontra-se num estado de abandono”, estando a “degradar-se dia após dia”, o que se torna de “fácil intrusão por parte utilizadores menos indicados”.

O autarca reconhece que as “condições do atual do posto da GNR não são adequadas, nem apetrechadas” para o bom desempenho dos seus funcionários. Rui Garcia lembra que o “edifício é pequeno e degradado”, o que faz com que os próprios cidadãos “possam não se sentir à vontade quando têm de se deslocar ao posto”, uma vez que pode “não estar garantida a sua privacidade”, por “o mesmo ser antigo e minúsculo”.

O presidente da Câmara Municipal da Moita frisa que “quanto mais o tempo passa mais degradadas e deficientes se tornam as instalações”, estando a população e os funcionários da GNR “há anos a aguardar a resolução deste problema”. Rui Garcia aguarda pela resposta da administração central para depois se “avançar para a construção de um novo edifício”, num terreno cedido pela autarquia que “fica junto ao novo quartel dos bombeiros da Moita”.