Ana Catarina Mendes, cabeça de lista do PS quer mais “ambição, determinação e vontade política” Click To Tweet

A cabeça de lista do Partido Socialista (PS), às próximas eleições legislativas, pelo círculo eleitoral de Setúbal, considera que para conduzir o distrito de Setúbal ao desenvolvimento é necessário “ambição, determinação” e “vontade política em investir nas pessoas” e “criar um ambiente favorável à atividade das empresas”. Ana Catarina Mendes refere que o distrito de Setúbal tem “condições para ser o distrito com melhor qualidade de vida do país”, visto que tem “recursos naturais e paisagísticos que o permitem se forem bem preservados e colocados ao serviço de todos”.



A candidata socialista, para as próximas eleições legislativas, pelo círculo eleitoral de Setúbal, acrescenta que o distrito tem “potencial de atração de uma economia moderna”, que o “reindustrialize” e o “lance definitivamente em setores de mais elevada tecnologia”, em unidades “centradas na produção de conhecimento”, em “centro de difusão de inovação de impacto pelo menos ibérico, se não europeu ou mundial”. Ana Catarina Mendes garante que, caso sejam eleitos, vão fazer com que o distrito de Setúbal faça parte da “grande região capital do país” com todo o “potencial que deriva de se estar no centro dos pólos de decisão”.


Ana Catarina Mendes do PS: “O estado a que chegámos é uma semelhança com o estado novo” Click To Tweet

A também deputada da Assembleia da República entende que o PS diferencia-se no distrito de Setúbal “por não querer instrumentalizar os problemas para protestar”, mas sim por querer “construir para liderar, para fazer melhorar” e “para mudar para progredir”. Ana Catarina Mendes defende que as pessoas devem votar no PS, porque “querem mudar de Governo” e porque “o programa eleitoral proposto é credível”, com “contas feitas e compromissos claros no tempo e nos custos”.



A presidente da Federação Distrital de Setúbal do PS sublinha que o partido apresenta “uma verdadeira alternativa à austeridade” e “fanatismo ideológico de uma direita que fez da destruição dos serviços públicos o sentido de toda a sua atuação”. Ana Catarina Mendes lembra que votar no PS é “votar numa Alternativa de Confiança”, que se propõe, com “responsabilidade, a devolver a dignidade às pessoas, apostando no desenvolvimento sustentável” e na “criação de emprego na região”, uma vez que para os socialistas “as políticas de coesão social são a base de um desenvolvimento inclusivo e solidário”.


Ana Catarina Mendes, Partido Socialista: “Eu não quero um Portugal de Mendigos” Click To Tweet

A líder distrital ambiciona “voltar a colocar Setúbal nas prioridades da atuação do Governo”, esclarecendo que o PS tem como “prioridade relançar a confiança na economia, aumentando o rendimento disponível das famílias” e “repondo os mínimos sociais”, como o “rendimento social de inserção” e o “complemento solidário para idosos”. Ana Catarina Mendes assegura que “lidera uma equipa muito credível”, que “vai puxar pelas energias positivas distrito colocando-o no centro do desenvolvimento económico e social do país”.



Logo_PSA vice-presidente do grupo parlamentar do PS admite que a “prioridade do partido é o emprego”, sendo para tal necessário “criar condições para que a economia o possa gerar”, de modo a “acudir a tragédia social que em que o país está mergulhado”. Ana Catarina Mendes ressalta que “todo o programa do PS assenta na recuperação da confiança na economia para que esta possa gerar empregos” e encontrar os “consensos que permitam que não estejamos sempre a colocar em causa as decisões estratégicas que podem fazer crescer o distrito”.


Ana Catarina Mendes, cabeça de lista do PS: “Nós somos um povo de aventura” Click To Tweet

A cabeça de lista do PS por Setúbal adianta que está “preocupada com a situação dramática do desemprego”, em particular do “desemprego jovem e no de longa duração”, o que faz com que estejamos a “assistir a um aumento brutal da pobreza no distrito”. Ana Catarina Mendes considera que os responsáveis por esta situação vivenciada são, por um lado, “a crise”, por outro os “efeitos das políticas do atual Governo que puseram em causa os resultados alcançados nas últimas décadas”, quer em “termos económicos, quer em termos sociais”.



Autoria e coordenação: José Luís Andrade

Redação: Marlene Brito

Video e som: José Luís Andrade e Pedro Soares

Apoio: Instituto Politécnico de Setúbal