Sadinos não ganham há 13 jornadas. É o maior jejum de jogos sem ganhar desde 1995

Quando a 22 de de Janeiro de 2016, o Vitória bateu a Académica, por 2-1, nem o mais pessimista dos adeptos setubalenses imaginaria que o seu clube estaria quase três meses e meio depois sem somar um único êxito no campeonato. As 13 jornadas que já  levam sem triunfar desde o duelo com os estudantes é já o segundo pior registo do clube dos últimos 21 anos.

Para encontrar um jejum mais longo sem vencer é necessário recuar a 1994/95, época em o Vitória teve um período de 15 jogos consecutivos (10 desaires e cinco empates), entre a 1.ª e 15.ª jornadas, sem somar um único êxito. No final, a equipa, que foi orientada por quatro treinadores (Raul Águas, Diamantino Miranda, Mourinho Félix e Abel Braga) terminou em último e desceu de divisão.

Para se ter uma ideia da invulgaridade do momento actual basta referir que nas três últimas épocas, o clube teve um ciclo de sete jogos (2014/15) e cinco (2013/14 e 2012/13) sem ganhar. Desde a tal temporada de 1994/95, o mais próximo que o Vitória esteve dos números actuais aconteceu em 2011/12 (12 partidas) e 2006/07 e 2001/02 (ambas com nove).

Na próxima jornada, agendada para sábado (20h45), frente ao Sporting, a equipa treinada por Quim Machado vai tentar colocar um ponto final no momento actual. Não obstante terem pela frente o 2.º classificado, que a duas jornadas do final da prova se mantém com hipóteses de chegar ao título, ninguém no Bonfim dá a partida de Alvalade como perdida.

Apesar de o Vitória ter uma vantagem de cinco pontos para Tondela e Académica (últimos classificados com 24 pontos), o facto de o conjunto treinado por Quim Machado ter ainda de defrontar os leões e o Paços de Ferreira, que está envolvido na luta pelo acesso à Liga Europa, não deixa os adeptos descansar em relação às contas da permanência.

Depois de os comandados de Quim Machado terem sido considerados uma das equipas sensação da primeira volta do campeonato, a quebra de rendimento foi abrupta a partir de Janeiro. Desde o êxito com a Académica, os setubalenses não conseguiram melhor do que quatro igualdades, tendo perdido as restantes nove partidas, a última das quais na casa do Sp. Braga, por 3-2.