De mal a pior. O Vitória perdeu ontem, por 1-0, no campo do Arouca, elevando para sete o número de jornadas que leva sem vencer (pior registo da presente temporada) na I Liga portuguesa de futebol. Na partida da 26.ª jornada, o avançado angolano Mateus, aos 36 minutos, apontou o único golo do encontro, que garantiu mais três pontos aos anfitriões.

Se por um lado os arouquenses reforçaram a 5.ª posição na prova, os sadinos, que mantêm a 13.ª posição, viram os adversários diretos na luta pela permanência aproximar-se na tabela. Moreirense, Académica (empataram, 2-2) e Boavista (ganhou 3-0 ao Marítimo) estão agora mais perto do conjunto treinador por Quim Machado.

Há três jornadas sem fazer golos, os setubalenses não tiveram arte nem engenho para desfeitear o guardião Bracalli nos 90 minutos de jogo. Em véspera de defrontar o FC Porto (sábado, 20h45), o Vitória, que soma agora 28 pontos, voltou a falhar o objectivo de superar a barreira psicológica dos 30.

A equipa de Quim Machado entrou pressionante e a tentar chegar com perigo à baliza adversária, mas sem conseguir criar perigo para a baliza dos anfitriões. Mais coesos nas transições, os pupilos de Lito Vidigal conseguiram, através das iniciativas de Lucas Lima e Zequinha, colocar em alerta a defesa sadina (8 e 13 minutos), mesmo sem conseguir tirar rendimentos dessa situação na primeira meia hora de jogo.

Já depois de ter deixado um aviso num remate ao lado do poste direito, o angolano Mateus inaugurou o marcador, aos 36 minutos, após um cruzamento de Lucas Lima no flanco esquerdo. Depois de dominar a bola, o atacante rematou forte e cruzado fora do alcance de Ricardo, lance que permitiu ao Arouca chegar ao intervalo a vencer por 1-0.

Insatisfeito com o resultado, Quim Machado, depois de um reinício de segunda parte sem chama e aquém das expectativas – apenas Salim Cissé tentou a suar sorte aos 54 minutos num cabeceamento sobre a trave –, lançou aos 60 minutos André Horta e Meyong.

O pendor atacante dos sadinos aumentou e Bracalli teve, finalmente, que mostrar trabalho. Costinha fez a bola passar junto do poste por duas vezes, Meyong desperdiçou o cabeceamento por três vezes e, já ao cair do pano, André Horta recebeu um presente, ao ver a bola cair-lhe aos pés, na área, mas atirou ao lado.

Já aos 90 minutos, Makuszewski ainda teve tempo para testar os reflexos do guardião do Bracalli. Conclusão: a eficácia, tal como aconteceu com Estoril e Moreirense (derrotas por 3-0 e 1-0, respectivamente), voltou a ser zero. Com mais este desaire o Vitória parece cada vez mais uma sombra da equipa da primeira volta.

Em termos disciplinares, o jogo entre Arouca e Vitória ficou marcado pelas expulsões de Lito Vidigal, treinador dos anfitriões, no final da primeira parte, por contestar uma decisão do árbitro Tiago Martins, e de Nuno Pinto, lateral dos sadinos, que recebeu ordem de expulsão já depois do final do encontro.

«Não estamos preocupados com o que as outras equipas fazem»

«Perder nunca é bom, mas sabemos o nosso caminho e não estamos preocupados com o que as outras equipas fazem. Tivemos um jogo com duas partes distintas e demos alguma vantagem ao Arouca na primeira parte. A primeira parte teve algum ascendente do Arouca e nós fomos decaindo no jogo. O Arouca fez o golo, mas também não criou muito mais oportunidades.

Na segunda parte, tivemos uma atitude diferente. Disse-lhes que era preciso acreditar. São jogadores jovens e, por vezes, perdem a confiança. Mas eles acabaram por fazer uma boa segunda parte e tivemos algum azar em momentos em que bastava esticar o pé para fazer o golo. Falta-nos eficácia. Fizemos uma parte condizente com aquilo que é a nossa equipa, que nunca vira a cara à luta.

Há que realçar que o Arouca está em quinto lugar e é uma equipa forte e nós temos muita malta que está pela primeira vez na I Liga. Precisamos de uma vitória para fazer os 30 pontos. É um campeonato muito equilibrado. No ano passado, 28 pontos chegavam [para a manutenção] e este ano, se calhar, não vai chegar. Faltam oito jogos e temos de fazer os nossos pontos para nos mantermos na I Liga.»

Quim Machado, treinador do Vitória