O Vitória qualificou-se ontem para a 4.ª eliminatória da Taça de Portugal ao vencer o Trofense, por 4-2 nas grandes penalidades, após nulo nos 120 minutos. A figura do encontro, ao defender dois penáltis, foi o guarda-redes Trigueira (). Incompreensíveis estiveram também Meyong, Zé Manuel, João Amaral e Vasco Fernandes, marcadores de serviço da marca dos 11 metros.

Em relação ao último jogo, José Couceiro promoveu cinco alterações no onze [entraram Trigueira, Bonilha, Thiago Santana, Vasco Costa e Zé Manuel e saíram Bruno Varela, Fábio Cardoso, Mikel Agu, João Amaral e Ruca] e a equipa acusou as mudanças, muito por culpa da entrada acutilante do emblema da Trofa.

Apesar de o primeiro lance de perigo ter sido protagonizado pelo estreante Thiago Santana, logo aos três minutos, os nortenhos estiveram mais perto da baliza sadina no primeiro tempo. A falta de pontaria do Trofense e a atenção de Trigueira (defesas atentas aos 15 e 39 minutos) impediram os anfitriões de facturar.

Após o intervalo, o Vitória despertou e passou a estar por cima do encontro. Aos 54 minutos, Thiago Santana voltou a ser perdulário na cara de Kadú. A equipa de José Couceiro rondava a baliza nortenha, criava perigo e por duas vezes ficou a reclamar grande penalidade mas o árbitro Rui Costa não teve igual opinião: mão de Cléber (aos 56 minutos) e empurrão de Anthony sobre Thiago Santana (64).

Aos 80 minutos, Kádu brilhou e evitou o golo dos setubalenses com um voo que levou a bola à barra da baliza após remate de João Amaral. Sempre por cima do adversário, o Vitória não consegui desfazer o 0-0, acabando a partida por ir para prolongamento. Nesta período, fase em que o Trofense já só quase defendia para adiar a decisão para os penáltis, a equipa de José Couceiro voltou a ser superior, mas não conseguiu chegar ao golo até aos 120 minutos.

Incapazes de desfazer o nó as duas equipas levaram a decisão da partida a prolongamento, momento no qual disputaram muito a bola mas ‘encaixaram-se’ por completo, tornado inevitável o desempate por grandes penalidades que sorriu aos setubalenses, graças às duas defesas do herói Trigueira.

Ricardo Lopes Pereira