Os Transportes Colectivos do Barreiro (TCB) registaram durante o ano de 2015 um resultado liquido positivo de 450 mil euros, tendo transportado mais de 8,7 milhões de passageiros.

O relatório de Sustentabilidade, Actividade e Prestação de Contas 2015 dos TCB, que são um serviço municipalizado da Câmara do Barreiro, foi aprovado pelo executivo municipal, liderado por Carlos Humberto (PCP).

“Representa um ponto de viragem na interpretação do que fazemos, dando a conhecer as externalidades positivas do exercício de 2015. Os TCB prestam um serviço de elevada qualidade à população” , disse Rui Lopo, vereador da autarquia com responsabilidades nos TCB.

Segundo o relatório, os TCB registaram um resultado liquido positivo em 450 mil euros, tendo conseguido uma redução da dívida em 285 mil euros, que situa agora em cerca de 3,5 milhões de euros.

A procura em 2015 foi de 8.709.775 passageiros, o que representa uma redução de 0,32% de passageiros face aos 8.738.101 passageiros transportados em 2014.

“Este valor demonstra que foi possível travar a tendência que se tem registado nos últimos anos de perda de passageiros. Neste relatório, para além dos números, conseguimos também analisar os indicadores ambientais”, afirmou.

O documento refere que foi reduzido o número de carreiras não efectuadas, mantendo-se a oferta diária com 792 circulações por dia útil e a oferta da rede de fim de semana em articulação com o operador fluvial.

Durante o ano de 2015 foram abatidas sete viaturas da frota dos TCB, tendo sido adquiridas seis novas viaturas, registando-se uma redução do consumo de combustível.

“Os TCB são estruturantes para a cidade, indutores de dinâmica no comércio local, e são objectivamente um factor de atractividade, promotor da qualidade de vida e do ambiente da cidade na redução de ruído, nas emissões de gases com efeito de estufa, na redução de acidentes rodoviários, entre outros”, acrescentou Rui Lopo.

O autarca disse ainda que, apoiado num estudo técnico, foi possível analisar o ganho para o Barreiro de existirem os TCB.

“De acordo com resultados, em 2015, por cada euro investido houve uma externalidade positiva de 23 euros, e por cada passageiro transportado, uma externalidade positiva de 1,10 euros”, concluiu.