A 12.ª edição do Festival Terras Sem Sombra vai arrancar a 27 de Fevereiro e prolongar-se-á até 18 de Junho
O Festival Terras Sem Sombra (FTSS) tem “dado um novo fôlego ao Alentejo”, considera José António Falcão, director-geral do evento.
“O Alentejo tem encontrado novo fôlego neste certame, que conjuga o património musical e arquitectónico com o paisagístico e o imaterial, e dinamiza a economia regional”, disse o responsável, em declarações à agência Lusa.
José António Falcão realçou a ligação que o FTSS faz “entre a cultura, o património histórico e a salvaguarda da biodiversidade, com uma clara dinamização na comunidade local e um interesse por vir e conhecer o Alentejo, nomeadamente da vizinha Espanha”.
“Quando o interior [do país] é muito esquecido, e é evidente a acumulação das actividades culturais, com tudo o que isso implica em Lisboa, o FTSS é um grito de revolta em favor do mundo rural e de zonas do litoral, que têm sido esquecidas”, afirmou.
O 12.º FTSS, que se inicia em Fevereiro próximo e decorre até Julho, apresenta concertos e acções de salvaguarda da biodiversidade em oito concelhos do Baixo Alentejo – Alvito, Almodôvar, Sines, Ourique, Serpa, Odemira, Castro Verde e Beja. “O acesso à cultura, à cultura de qualidade, é um direito de todos e, quando os sinais são contrários, a cultura torna-se também um acto de resistência”, defendeu o responsável para em seguida declarar: “Não podemos deixar que nos roubem a nossa identidade.”
O FTSS é organizado pelo Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, com o apoio “de um batalhão de voluntários”, e, este ano, contou com 1.063 pessoas. A directora executiva do FTSS, Sara Fonseca, por seu turno, realçou que este é um “projecto inovador que associa a música erudita ao património cultural e natural, que dá um estímulo significativo para ajudar o território a ‘não desistir’”.
“Há a vontade e a esperança de poder contribuir, neste âmbito, com verdadeira excelência artística, que entusiasme e crie impacto na gente fantástica que vive no Alentejo”, revelou.
Programa:
Sob o mote “Torna-Viagem – o Brasil, a África e a Europa (da Idade Média ao século XXI)”, a 12.ª edição do FTSS vai apresentar oito concertos em oito concelhos baixo- alentejanos, envolvendo músicos como Joana Seara, Albert Recasens e Jean- Christoph Frisch.