Paulo Calado destaca a importância de Setúbal e Sines, como “plataformas industriais e logísticas para o Atlântico, com uma localização privilegiada junto a portos marítimos estratégicos”. O Administrador da aicep Global Parques explica também a aposta na promoção do BlueBiz, o parque industrial que a empresa pública detém no Vale da Rosa, em Setúbal

É notória uma maior dinâmica de promoção do BlueBiz. O que mudou? Quais são os objectivos?

O BlueBiz – Parque Empresarial da Península de Setúbal, cada vez mais se afirma como um parque empresarial que promove a competitividade das empresas, salientando-se a sua localização estratégica e a oferta única que disponibiliza – espaços para indústria ou logística, equipados com todas as utilities necessárias, como sejam eletricidade, água industrial e doméstica, estação de tratamento de águas residuais, comunicações de voz e dados, mas também mais de seis mil metros quadrados de escritórios e salas de reunião, para todo o tipo de empresas de serviços.

O Parque oferece ainda a manutenção das áreas comuns e um serviço de vigilância 24 horas por dia. As salas para conferências e de formação respondem a necessidades pontuais das empresas no desenvolvimento das suas actividades.

A aicep Global Parques esforça-se, desta forma, para dar a conhecer este produto que para além das características já enumeradas tem a vantagem de ter um modelo de negócio, assente na utilização do espaço mediante o pagamento de uma renda, usufruindo dos serviços do parque, em vez da aquisição de imóveis, que permite a concentração do investimento no desenvolvimento da atividade na fase de arranque do negócio.

Conscientes da importância das parceiras para o desenvolvimento do parque e da região, a aicep Global Parques tem apostado em trabalhar com diversas entidades relevantes: internacionais, nacionais e locais, destacando-se, como bons exemplos, a Câmara Municipal de Setúbal, o Instituto Superior Politécnico de Setúbal, o Instituto do Emprego e da Formação Profissional, a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, a ENA e a AISET.

Consideramos que a Península de Setúbal tem, e pode ter ainda mais, um papel significativo na dinâmica nacional e europeia de re-industrialização da economia, assentando no desenvolvimento de indústrias de produtos diferenciadores e sustentáveis, preferencialmente de bens transacionáveis e assim a oferta do BlueBiz tem um papel fundamental.

Este ano de 2015 está na reta final. Que balanço faz a administração da aicep Global Parques do trabalho desenvolvido e dos resultados obtidos?

A Comissão Executiva actual tomou posse em final de Março e após o período inicial de conhecimento da empresa, seus activos e oferta, concentrou-se na forte divulgação dos seus produtos e no estabelecimento de parcerias de desenvolvimento dos produtos, de criação de redes que impulsionem o desenvolvimento das regiões onde os parques se localizam e, no âmbito dos recursos humanos, que fomentem a sua qualificação.

Os resultados verificam-se serem positivos, para além dos resultados previstos estarem de acordo com o planeado, constatámos uma evolução positiva nas taxas de ocupação.

Têm notado alguma mudança de contexto? Confirmam que a melhoria do ambiente económico já é sentida pela empresa?

 

O ambiente económico está melhor que há um ano e é mensurável pelo número de empresas que nos procuram. Também a maior divulgação dos produtos tem gerado um maior número de contactos e visitas.

A maior dinâmica do sector automóvel teve consequência no aumento da taxa de ocupação da área destinada à logística automóvel.

 
Para o ano de 2016 e futuro próximo quais são os principais objetivos e projetos?

A empresa tem excelentes activos que necessitam de ser divulgados e promovidos, de forma segmentada. É esse trabalho que tem vindo a ser desenvolvido, estando previstas várias iniciativas de contacto com empresas, como por exemplo junto de empresas de logística automóvel, em Portugal e Espanha, de forma a mostrar o potencial e as mais-valias do BlueBiz para acolher empresas desse sector. O BlueBiz possui uma grande capacidade para acolher todas essas empresas que necessitam de espaço para parqueamento de automóveis, bem como para a localização de estruturas dirigidas à modificação de componentes das viaturas.

No BlueBiz, um dos clusters que tem vindo a ser desenvolvido é o da aeronáutica, como são exemplo empresas como a Lauak Portugal e a Mecachrome, vocacionadas para a metalomecânica aeronáutica, e a Mectop vocacionada na metalomecânica de precisão para todo o tipo de peças e ferramentas. Desejamos captar mais empresas ligadas à metalomecânica de precisão, pois isso reforçará a capacidade do parque, mas igualmente a sua visibilidade, enquanto espaço de referência no sector.

Na ZILS – Zona Industrial e Logística de Sines, com mais de 2.375 hectares para as todas as atividades de indústria, energia, logística e serviços há que reforçar a sua localização de excelência, junto de um porto de águas profundas, no centro das rotas marítimas internacionais e a oferta de terrenos com todas as infraestruturas e serviços públicos necessários.

A grande aspiração passa pelo aumento das taxa de ocupação dos parques empresariais, e neste contexto, a notoriedade é uma peça-chave, daí que pretendemos continuar a desenvolver ações segmentadas de divulgação e promoção do BlueBiz e da ZILS.

Quais são as grandes vantagens competitivas dos parques de Setúbal e de Sines?

Sines e Setúbal são plataformas industriais e logísticas para o Atlântico, com uma localização privilegiada junto a portos marítimos estratégicos. São locais excelentes para adição de valor nos fluxos logísticos internacionais. Para além deste facto, os parques são dotados de boas acessibilidades rodo e ferroviárias.

A equipa da aicep Global Parques acompanha desde o início todos os projectos de investimento que estejam interessados nas suas localizações trabalhando para responder aos mais exigentes requisitos.