Comemorações arrancam no dia 9, com inauguração de exposição de poemas do concurso ‘Arrábida Poesia’

A inauguração da mostra de poemas do concurso “Arrábida Poesia”, por alunos do 1.º ciclo do Agrupamento de Escolas de Azeitão, marca o arranque das comemorações do 92.º aniversário do nascimento de Sebastião da Gama. A inauguração da exposição, que integra a programação promovida pela Câmara Municipal de Setúbal, pela Associação Cultural Sebastião da Gama e pela Junta de Freguesia de Azeitão, tem lugar no próximo dia 9, às 15h00, no Museu Sebastião da Gama.

“Meia hora depois, o mesmo espaço museológico localizado em Vila Nogueira de Azeitão recebe a cerimónia de lançamento da brochura ‘Lugar de Bocage na Nossa Poesia de Amor’, da autoria do poeta azeitonense Sebastião da Gama”, realça a Câmara Municipal. À noite, já na cidade de Setúbal, o Salão Nobre dos Paços do Concelho servirá de palco à realização de um concerto evocativo pelo Coro Setúbal Voz, a partir das 21h30.

Em dia de aniversário de Sebastião da Gama, 10 de Abril, haverá “a habitual deposição de flores na estátua erigida ao poeta, na Praça da República, em Vila Nogueira de Azeitão”, pelas 10h00.

No dia 16, a partir das 15h00, o concurso literário “Arrábida Poesia” entrega prémios aos melhores trabalhos, numa cerimónia a realizar no Museu Sebastião da Gama, seguindo-se, às 16h00, um roteiro de poesia, com “a declamação de poemas em vários pontos de Vila Nogueira de Azeitão, actividade dinamizada em parceria com a Casa da Poesia de Setúbal”.

O programa comemorativo do 92.º aniversário do poeta azeitonense reserva ainda, para o dia 30, pelas 16h00, no Museu Oceanográfico, no Portinho da Arrábida, a palestra “Sebastião da Gama e a Serra-Mãe”, a cargo de João Ribeiro, numa iniciativa promovida em parceria com o Parque Natural da Arrábida.

Sebastião Artur Cardoso da Gama nasceu em 10 de Abril de 1924, em Vila Nogueira de Azeitão, tendo completado a licenciatura em Filologia Românica em 1947 na Faculdade de Letras de Lisboa. “Serra-Mãe”, de 1945, foi a primeira obra do poeta editada em vida, seguindo-se “Cabo da Boa Esperança”, de 1947, e “Campo Aberto”, 1951. No dia 7 de Fevereiro de 1952, Sebastião da Gama morreu, com apenas 27 anos, vítima de tuberculose renal, doença que sofria desde a adolescência.