O secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, afirmou que é necessária maior concorrência nos portos, salientando que o novo terminal de contentores no Barreiro é um projeto com apoio de Bruxelas.

“Este projeto não se restringe ao terminal de contentores no Barreiro, é a sua face mais visível, pois tem também uma requalificação do território, a redução da pegada ambiental e aumento da capacidade de navegabilidade do Tejo. É um projecto que já teve grande apoio de Bruxelas, que validou a candidatura”, disse.

O secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Silva Monteiro, presidiu ontem, no Barreiro, à assinatura do Consórcio “viaLisboa”, entre a Administração do Porto de Lisboa, a Câmara do Barreiro, Câmara do Seixal, Baía do Tejo e Infraestruturas de Portugal.

Este consórcio vai aplicar a candidatura de cerca de seis milhões de euros, aprovada por Bruxelas, para se efetuarem os estudos necessários para a localização do novo terminal de contentores de Lisboa no concelho do Barreiro.

Sérgio Monteiro referiu que as críticas em torno do projeto têm sido “poucas face aos consensos gerados”, referindo que o projecto, orçado em cerca de 600 milhões de euros, será efetuado sem dinheiros públicos.

“O projeto será desenvolvido por capital privado, não há fundos públicos no novo terminal. Queremos maior concorrência nos portos, mais operadores e ter capacidade de reduzir o custo da factura portuária. É isso que nos une”, disse.

“Os que dizem que estão contra querem que outros operadores que já existem cresçam, não querem a entrada de novos operadores. Para nós é bom ter operadores em Setúbal, Barreiro, Lisboa, Aveiro, Leixões, Sines ou Figueira da Foz”, acrescentou.

O secretário de estado explicou ainda que são as administrações portuárias que tratam das partes comuns, como dragagens ou molhes de protecção, mas que as receitas vêm das taxas cobradas aos operadores privados.

Marina Ferreira, presidente da APL, anunciou que o júri está já a efetuar as notificações das empresas que concorreram para efetuarem o Estudo Prévio e o Estudo de Impacte Ambiental do futuro terminal de contentores de Lisboa, no Barreiro.

“Os três primeiros lugares são de três empresas que nos satisfazem plenamente. Esta fase é ainda preliminar, não é definitiva, mas em primeiro lugar ficou o consórcio Consulmar, em segundo a Proman e em terceiro a WW”, disse.

A responsável anunciou ainda que vai avançar o concurso de ideias para a Estratégia Urbanística de Reconversão da Zona Industrial e Portuária do Barreiro, com a colaboração da Ordem dos Arquitetos, e o projeto de requalificação do cais da Siderurgia, no Seixal.