O Centro Distrital de Segurança Social de Setúbal celebrou na quarta-feira acordos de cooperação com instituições de solidariedade social, criando 52 novas vagas de apoio domiciliário no concelho do Barreiro, e reforça a rede de Centros de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental (CAFAP) na região.

Segurança Social.jpg_Setúbal

Com os protocolos agora assinados, para sete novos centros que vão apoiar 240 famílias, e a revisão em alta de 16 já existentes que passam a apoiar 406 famílias, a Segurança Social passa a apoiar, na região, um total de 646 famílias, através das diferentes instituições. A assinatura destes acordos resulta na cobertura de respostas de CAFAP em todos os concelhos do distrito.

“Setúbal vai passar, assim, a dispor de uma resposta de primeira linha na prevenção de situações de risco de crianças e jovens, preservando-os em meio natural de vida”, refere a diretora regional da Segurança Social, acrescentando que esta resposta complementa os serviços existentes de apoio à família. Ana Clara Birrento, sublinha a “aposta forte” na criação destes centros que visam a qualificação familiar através da aquisição e do fortalecimento de competências parentais nas diversas dimensões da vida familiar, e que compreendem níveis diferenciados de intervenção de cariz pedagógico e psicossocial, de acordo com as caraterísticas e necessidades de cada caso.

Os CAFAP integram três modalidades de intervenção. A ‘Preservação Familiar’ que visa prevenir a retirada das crianças ou jovens do seu meio natural de vida, ‘Reunificação Familiar’, que promove o regresso da criança ou jovem ao seu meio familiar, e o ‘Ponto de Encontro Familiar’, que trabalha a manutenção ou o restabelecimento dos vínculos familiares nos casos de interrupção ou perturbação grave da convivência familiar.

A intervenção de CAFAP preconiza o trabalho com a família, promovendo os direitos e proteção das crianças e jovens, no seu desenvolvimento integral enquanto sujeitos. Um trabalho “fundamental” levado a cabo pelas instituições de solidariedade social, concretizado na comunidade, por meio de equipas multidisciplinares, implicando a participação e co-responsabilização das famílias na estruturação dos percursos de vida.