Vitória ambicioso defronta hoje o Paços de Ferreira já sem o agora ‘dragão’ Suk

Já sem o avançado Suk, entretanto transferido para o FC Porto [rendeu 1,5 milhões de euros aos cofres do clube], o Vitória defronta hoje, 20 horas, o Paços de Ferreira em partida da 17.ª jornada da I Liga. O treinador Quim Machado quer apagar na capital do móvel a pálida imagem que a equipa deixou na goleada (0-6) sofrida na ronda anterior com o Sporting. “Não é num jogo que se apaga uma imagem que se construiu ao longo de seis meses. Vamos já dar uma resposta em Paços de Ferreira”, prometeu o técnico que tem no guardião Ricardo a única baixa para a partida desta noite.

Qual o estado de espírito da equipa para o jogo em Paços de Ferreira, depois da goleada (0-6) sofrida com o Sporting na jornada anterior?

Reuni os jogadores logo a seguir ao jogo para lhes dizer somos uma grande equipa. Não é num jogo que se apaga uma imagem que se construiu ao longo de seis meses. Temos um grupo fantástico que termina todos os jogos de rastos pelo que deixa em campo. Foram muitos golos sofridos, mas foram três pontos perdidos. Vamos já dar amanhã (hoje) uma resposta em Paços de Ferreira. Temos na nossa cabeça tudo o que fizemos, o que somos e o que queremos fazer. Queremos chegar aos 25 pontos no final da primeira volta.

A equipa tem tido melhor rendimento a actuar fora do Bonfim. Esse facto também contribui para estar optimista?

Os números dizem que somos uma equipa forte fora de casa. Vamos apanhar um Paços de Ferreira que está mais forte que o ano passado em termos de pontos. Vêm de um triunfo fora de casa e estão moralizados. O pensamento deles é terminar a primeira volta em 5.º lugar. O nosso também, por isso, queremos ganhar o jogo.

A equipa está preparada para jogar sem Suk, que acabou de se transferir para o FC Porto [assinou até 2020 e rendeu cerca de 1,5 milhões de euros ao clube pelos 70% que detinha dos direitos do atleta]?

Suk foi muito importante para nós. Já não estará neste jogo e já faz parte do passado. É um grande jogador e desejo-lhe toda a sorte do mundo. Chegou a hora de dar a oportunidade a outro. Os avançados comigo têm tido sorte e fazem golos. Não tenho dúvidas de que quem o substituir também fará golos. Não vamos mudar a nosa identidade pela saída de Suk.

Hassan poderá ter a sua oportunidade?

Quando cheguei Hassan estava no nível zero. Agora está no nível seis. Cresceu muito e é uma das opções que tenho para o ataque com o Vasco Costa e o André Claro. É uma solução e poderá ter uma oportunidade. Temos de valorizar quem está cá.

Que parte do mérito lhe assiste pela transferência de Suk para o FC Porto?

Sou o responsável quando a equipa perde 6-0 e pelas coisas positivas que, de vez em quando, também acontecem. Quem ajudou Suk foi todo o grupo, os jogadores, os treinadores e a administração porque todos contribuíram para a existência de um bom ambiente. Suk ontem (anteontem) chegou ao pé de mim e disse que se não fosse eu não estaria no FC Porto. Agredeceu-me o que fiz por ele. Saiu beneficiado por termos um futebol ofensivo. É um facto que evoluiu comigo. Em anos anteriores não marcou tantos golos. Suk disse-me que se não tivesse atingido este nível, certamente iria para a Coreia ou outro país. No fundo, com a minha forma de jogar, ajudei-o a pôr em prática todo o seu talento. Ao que julgo saber, foi a maior venda do Vitória nos últimos anos.

Qual a sua opinião sobre o avançado Meyong [camaronês revelou recentemente que deve assinar pelos sadinos durante esta semana]?

Não adianta falar nomes. Depois do 6-0 é muito importante estar focado no Paços e dar já uma resposta. Depois falaremos.

Quais as suas expectativas para a segunda volta?

Temos de colocar o Vitória num patamar mais elevado em relação aos últimos anos. O clube tem de andar no 9.º, 8.º 7.º lugares. Se o ‘scouting’ for bem feito, como este ano, poderemos valorizar jogadores, praticando bom futebol. Temos de colocar o Vitória em lugares mais honrosos. É uma pena o Vitória ter andado nos últimos anos para não descer de divisão.