Encontro público com ministra do Mar, no sábado em Sesimbra, é ponto alto das jornadas regionais. Ana Paula Vitorino vai falar do papel do distrito de Setúbal na estratégia nacional para a Economia do Mar

  

As Jornadas Parlamentares Distritais do PS, promovidas pelos deputados eleitos por Setúbal – Ana Catarina Mendes, Eurídice Pereira, Paulo Trigo Pereira, Ivan Gonçalves, Sofia Araújo, André Pinotes Batista e Francisca Parreira – em colaboração com a Federação Distrital de Setúbal do PS, que começam hoje e decorrem até ao próximo sábado dia 15, são, este ano, dedicadas ao Mar.

Os trabalhos arrancam hoje, segunda-feira, pelas 10h30, no concelho de Setúbal, com uma reunião entre os deputados e a direção da Comunidade Portuária de Setúbal, continuam, pelas 15h00, na Associação de Moradores e Pescadores da Fonte da Telha, para uma conversa sobre a pesca tradicional da Arte Xávega. Pelas 16h30 decorrerá um diálogo com a associação ‘Ala-Ala’, em torno dos diversos tipos de pesca que se desenvolvem na Costa da Caparica e, por fim, um encontro, às 17h30, com a Associação de Pesca e Sucesso.

Amanhã, as jornadas passam pela Moita e Barreiro, com visitas ao Centro Náutico Moitense, 10 horas e ao Clube Naval Barreirense, pelas 11h30.

Os deputados socialistas retomam os trabalhos na sexta-feira, dia 14, às 15h30, com uma audição pública sobre a componente marinha do Plano de Ordenamento do Parque Natural da Arrábida (POPNA), em Sesimbra, que contará com a presença do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes.

No Sábado, dia 15, a manhã de dia 15, será marcada por visitas aos navios Sagres, Creoula e Vera Cruz, no Porto de Setúbal e à tarde, pelas 14h30 terá inicio a iniciativa mais pública destas jornadas parlamentares; o colóquio ‘Economia do Mar – Um desafio com horizonte no distrito de Setúbal’, onde serão debatidos aspectos como as infraestruturas portuárias ou os setores tradicionais e inovadores, e em que a ministra do Mar vai abordar o tema sobre ‘O Distrito de Setúbal na Estratégia Nacional para a Economia do Mar’.

Este encontro é aberto ao público, com o objectivo, segunda a organização, de “proporcionar um debate amplo e de promover um regime parlamentarista profundamente próximo dos cidadãos”.

A sessão de encerramento, com início previsto para as 19 horas, contará com a presença de diversos deputados socialistas, dirigentes nacionais do PS, do presidente da Federação Distrital de Setúbal do PS, António Mendes, e da secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes.

Os deputados rosa justificam a escolha do tema para as jornadas, dizendo que  a Economia do Mar “assume um papel central na valorização do território constituindo um dos seis pilares do Plano Nacional de Reformas, apresentado pelo Governo de António Costa e amplamente sufragado no Parlamento” e “atendendo à particular importância que o presente tema assume na economia nacional e no distrito de Setúbal, em particular”.

euridice-pereiraEURÍDICE PEREIRA

“O distrito de Setúbal precisa de voltar a ter um projecto”

A coordenadora do grupo de deputados socialistas eleitos por Setúbal destaca a singularidade das jornadas regionais, “ o encontro da política com o território”, e defende que o distrito “pode dar cartas” na Economia do Mar

O que destaca nas Jornadas Parlamentares Distritais?

A sua singularidade. De facto, somos, no país, pelo menos até agora, o único grupo de deputados que promove Jornadas Parlamentares Distritais e que o faz num modelo que se pretende de forte proximidade com os cidadãos, as instituições e os agentes locais.

Esta forma constante de ligação ao distrito já constitui uma espécie de marca, um modo de estar reconhecido aos deputados socialistas de Setúbal. O que nós fazemos é multiplicar o modo como exercitamos esse contacto com as pessoas. As jornadas são um momento alto de encontro da política com o território.

As jornadas são este ano dedicadas especificamente ao Mar. Porquê?

Porque o distrito, pelas suas características, pode dar cartas nesta matéria e os rios e o mar são riquezas que aguardam ser plenamente usufruídas, obviamente que no respeito pelas regras, nomeadamente ambientais. O Plano Nacional de Reformas tem lá, preto no branco, na área da Valorização do Território, a Economia do Mar com papel destacado.

Este tema não resulta de uma questão de moda mas, sim, e fundamentalmente, do óbvio reconhecimento que não tem sido amplamente aproveitado o potencial do Mar para o sucesso da economia nacional. E isso tem de ser invertido. Nós damos o nosso contributo.

Quais são os grandes desafios com que a região se depara no quadro da actual legislatura?

O maior e eu direi imprescindível, desafio, é o do distrito voltar a ter um projeto. O anterior Governo esfarrapou o que havia, e não se venha dizer que a razão foi a crise. A crise, admito, podia ter ajustado calendarizações mas nunca seria razão para se desmantelar tudo.

O projeto que estava desenhado assentava no reconhecimento, não só das necessidades do distrito, mas das suas condições diversas que deviam ser aproveitadas e potenciadas. Portanto, urge voltar a juntar os diferentes actores sociais e repensar este novo ponto de partir e construir, como disse, um novo projeto distrital. Certamente que muitas das ideias, adormecidas durante quatro anos, mantêm-se válidas.

Obviamente que as medidas que estão a ser empreendidas à escala nacional, particularmente na recuperação de rendimentos por parte das famílias, face à sua transversalidade, fazem com que o distrito também aproveite. E essa medida, como outras que honram a pessoa humana, têm impacto direto e são desafios muito exigentes.