“A Vida de um Vinho” tem como objectivo angariar fundos para apoiar idosos e crianças carenciadas da região

O projecto solidário “A Vida de um Vinho”, da Casa Ermelinda Freitas, em Palmela, já entregou um total de 62.865 euros à Cáritas Diocesana de Setúbal e à União Social Sol Crescente da Marateca. A terceira entrega de receitas a estas instituições, no valor de 17.695 euros, teve lugar no sábado, com a presença do Presidente da República, Cavaco Silva, e da primeira-dama, Maria Cavaco Silva, que é também embaixadora deste projecto.

A entrega de receitas decorreu após a inauguração da nova “Adega Leonor Freitas” e a apresentação pública do espaço museológico “Casa de Memórias e Afectos Ermelinda Freitas” (noticiada na edição de ontem do DIÁRIO DA REGIÃO). “Sempre senti que tinha que devolver um pouco à sociedade aquilo que ela me deu”, referiu Leonor Freitas, proprietária da Casa Ermelinda Freitas, explicando a razão da criação deste projecto, em 2008, acarinhado desde então por vários embaixadores. “A Vida de um Vinho” conta com 1.500 garrafas magnum que, acompanhadas por um CD com a obra musical criada pelo maestro Jorge Salgueiro e pelo livro do jornalista Amílcar Malhó, são disponibilizadas através de uma contribuição de 100 euros. O conjunto poderá ainda ser acompanhado por uma serigrafia do pintor Mário Rocha, no valor de 75 euros. Leonor Freitas explicou que, em relação à venda das telas, como estava a haver alguma dificuldade, a Casa Ermelinda Freitas adquiriu-as pelo preço a que tinham sido colocadas à venda.

A primeira entrega de receitas deste projecto teve lugar em Dezembro de 2013, no valor de 18.735 euros, a segunda entrega realizou-se em Dezembro de 2014, com o valor global de 26.435 euros e, no sábado, as instituições receberam mais 17.695 euros, correspondentes à terceira entrega.

Família ganha “nova” casa

No caso da Cáritas, estes apoios permitiram já ajudar à recuperação de uma habitação degradada, em Águas de Moura, onde vive a família Oliveira, agora com outras condições. Fernanda Oliveira, de 65 anos, sempre viveu naquela casa, que era da sua mãe, e actualmente, partilha-a com uma filha, o genro e três netos, com idades entre os 4 e os 11 anos. Antes da ajuda da Cáritas, a casa tinha apenas um quarto, uma sala pequena e cozinha e um anexo que servia de casa-de-banho improvisada, tendo os netos que dormir com a avó na sala. Agora, a casa já tem casa-de-banho, quartos para Fernanda Oliveira, para o casal e outro para as crianças.

“Já utilizámos neste projecto 47 mil euros, numa casa que já está, não reconstruída, mas construída. Julgávamos que íamos adaptar instalações para dar melhores condições de vida a esta família e, quando começámos a mexer na estrutura da casa, tivemos que começar tudo de novo, tivemos que construir uma casa nova. Vamos agora iniciar outra reconstrução”, contou Eugénio Fonseca. O presidente da Cáritas fez questão de destacar a “riqueza de alma desta empresa, que se personifica nesta grande mulher que é a Dr.ª Leonor Freitas”.

Também Manuel Batista, representante da União Social Sol Crescente da Marateca, agradeceu todo o apoio e elogiou o “coração generoso” de Leonor Freitas. Esta instituição existe há 22 anos em Águas de Moura e presta apoio a 77 crianças, 60 idosos (em apoio domiciliário e em centro de dia), funciona como cantina social para 25 pessoas e emprega 25 trabalhadores. “As regras de financiamento das IPSS são sempre muito apertadas, de forma que qualquer despesa imprevista é sempre uma grande carga de trabalhos. Estes donativos servem essencialmente para colmatar essas deficiências que temos e estes em particular irão para melhorar as nossas instalações e para reparações e renovação de material”, referiu.