Autoeuropa aponta à contratação maciça de trabalhadores. A fábrica de Palmela prevê encaixar 1 500 funcionários, ao passo que as empresas que a fornecem deverão contratar outros 500. Objectivo é produzir cerca de 200 mil unidades em 2018

A produção do novo modelo automóvel pela Autoeuropa, prevista arrancar em meados de 2017, vai criar mais dois mil novos postos de trabalho na região. Segundo o Jornal de Negócios, a fábrica da Volkswagen em Palmela irá começar, ainda este ano, a contratar trabalhadores, prevendo recrutar um total de 1 500 funcionários nos próximos meses, com o intuito de produzir cerca de 200 mil unidades do novo modelo por ano em 2018.

Aos 1 500 trabalhadores que a fábrica de Palmela estima contratar, prevê-se que se juntem ainda mais outros 500 a recrutar pelas empresas que operam no parque industrial da Autoeuropa como fornecedoras do grupo da marca alemã, conforme admitiu ao Negócios Daniel Bernardino, representante dos trabalhadores dos fornecedores. A estimativa, no entender deste responsável, é credível. “A estatística dizia-nos que por cada posto de trabalho que a Autoeuropa criava, eram criados mais três no parque industrial, mas essa estatística agora não está certa”, disse Daniel Bernardino em declarações ao Negócios, justificando: “Porque há empresas que não estão aqui instaladas e que ganharam peças no novo modelo.”

De resto, as empresas do parque industrial que vão fornecer componentes para o novo modelo até já estão a “preparar as equipas e a avançar com a produção de algumas peças”, acrescentou Daniel Bernardino.

Ainda de acordo com o Negócios, a Autoeuropa pretenderá duplicar a produção, de forma a atingir os 200 mil carros por ano em 2018. Número que o director-geral da empresa, Miguel Sanches, se escusou a confirmar ao Negócios, garantindo somente que a fábrica de Palmela partirá “com certeza” para “uma contratação maciça” de funcionários.

Fábrica vai passar a ter três turnos em 2018

O aumento de produção, com o novo modelo, é para ser feito de forma gradual nos próximos anos, sendo que 2016 deverá fechar com cerca de 85 mil unidades produzidas (Sharan, Scirocco e Seat Alhambra), o correspondente a 56% da capacidade de produção da fábrica, adianta o Negócios.

Miguel Sanches revelou ainda que os primeiros seis meses do próximo ano deverão ser reservados para testes à “velocidade de linha e a implementação de novos modelos de trabalho”. O segundo semestre de 2017, com o arranque da produção do novo modelo, poderá fazer com que a Autoeuropa encerre 2017 com um total de cerca de cem mil unidades produzidas. Depois de este ano ter reduzido a acção para um turno diário, a fábrica de Palmela prevê chegar aos três turnos em 2018, para, então, duplicar a produção e alcançar o fecho desse ano com 200 mil unidades produzidas, o que, a verificar-se, colocará a Autoeuropa no lote “das grandes fábricas do grupo Volkswagen”, assumiu Miguel Sanches ao Negócios.

O primeiro protótipo do modelo já está pronto, mas só será conhecido no primeiro trimestre de 2017.