Crescimento turístico no concelho verificou-se em todos os meses deste último semestre. Vereador Luís Calha destaca estratégia levada a cabo pela autarquia

A procura turística em Palmela registou um crescimento de 31% no primeiro semestre de 2016, relativamente ao período homólogo de 2015, segundo os dados da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa, que teve como base uma amostra de 90% da oferta turística do concelho.

Inserida na centralidade Arrábida, Palmela verificou um aumento bastante significativo, sobretudo quando comparado com o crescimento de 5,6% registado na Região de Lisboa, durante o mesmo período. Além disso, o crescimento registado em Palmela verificou-se em todos os meses do semestre, tanto no mercado interno, como no conjunto dos mercados externos, destacando-se a Suécia como principal mercado emissor, seguida do Reino Unido, Espanha, Dinamarca e França.

“O concelho tem vindo a afirmar-se como um destino em franco crescimento, fruto de uma estratégia de desenvolvimento turístico que aposta numa forte agenda de eventos, ao longo de todo o ano, baseada na diversidade e complementaridade dos seus recursos, na promoção dos seus produtos tradicionais e numa dinâmica crescente do trabalho em parceria, com agentes locais, regionais, nacionais e internacionais”, disse ao DIÁRIO DA REGIÃO o vereador da Câmara Municipal de Palmela, Luís Miguel Calha.

Aposta em dinâmica de actividades

O autarca realça várias das actividades municipais que têm contribuído para catapultar o crescimento turístico no concelho. “Iniciativas como a campanha de promoção turística Palmela Conquista, o Palmela TouristCard, a Feira Medieval de Palmela, os Fins-de-semana Gastronómicos, as festividades locais a par de uma programação cultural de qualidade do movimento associativo, e de vários eventos desportivos e de lazer nas áreas de ciclismo, geocaching, atletismo e orientação, golf e desportos equestres, têm contribuído para captar milhares de visitantes a Palmela, valorizando este território”, frisou Luís Miguel Calha.

O último trimestre em Palmela vai destacar-se, já a partir do dia 10 de Novembro, “pela realização do Fórum anual de Turismo dedicado, este ano, ao Tema ‘Gastronomia e Vinhos – Qualificação, Inovação, Desenvolvimento’”, que decorrerá no Cineteatro S. João, bem como “por um Programa de Comemorações do Dia Europeu do Enoturismo e de Palmela Capital Europeia do Vinho”. A estes eventos, acrescem, nos dias 3 e 4 de Dezembro, “a 3.ª edição do Festival de Moscatel e, durante o mês de Dezembro, o evento ‘Natal em Palmela’”, razões que o vereador considera “mais do que suficientes” para atrair visitantes ao concelho.

Enoturismo a nível mundial

O enoturismo em Palmela, recorde-se, é tido como actividade de extrema importância e continua a merecer particular atenção por parte da autarquia. “Importa referir que o mesmo integra o projecto municipal de valorização da vinha e do vinho e que a sua implementação resulta da agregação de objectivos entre município, adegas, produtores, agentes turísticos e diversas entidades, tendo a sua expressão, nomeadamente, no vasto trabalho levado a cabo pela Associação da Rota de Vinhos da Península de Setúbal, com sede na Casa-Mãe, em Palmela”, lembra.

Paralelamente, a participação do município em redes nacionais e internacionais – como a presença no Conselho de Administração da Rede Europeia de Cidades do Vinho (RECEVIN), na direcção da Associação Internacional para o Desenvolvimento e Promoção do Enoturismo (AENOTUR), por via da presença na direcção da AMPV, a integração na direcção da Associação das Rotas de Vinhos de Portugal e o facto de ser membro co-fundador da Associação Nacional de Municípios do Vinho – tem constituído “um factor essencial para o posicionamento de Palmela, em matéria de enoturismo e de valorização da vinha e do vinho, a nível mundial”, concluiu.