Em carta dirigida à população, o presidente da Câmara acusa a CDU e o PSD de estarem apenas interessados em jogos eleitoralistas

O chumbo do Orçamento Municipal do Montijo para 2017, por parte da CDU e do PSD, motivou uma reacção do presidente da Câmara, Nuno Canta, que, em carta aos montijenses (publicada na página 5), acusa a oposição de “instabilizar e perturbar o bom funcionamento” da autarquia.

“Entendo mesmo que a decisão da oposição de convocar uma maioria negativa de bloqueio contra o orçamento e o mapa de pessoal, é uma táctica política para impedir que possamos cumprir os nossos compromissos livremente sufragados pelo povo e constitui um acto irresponsável contra a democracia, contra o poder local democrático, contra o Montijo e os montijenses”, escreve o presidente da autarquia, no documento dirigido à população. Nuno Canta deixa também implícito, na mensagem, que não esperava pelos votos contra de CDU e PSD que inviabilizaram a aprovação dos documentos previsionais. “É com perplexidade que vemos aqueles que são incapazes de uma proposta construtiva, desesperados com o trabalho dos autarcas socialistas, a desinteressarem-se pelos problemas do Montijo e a estarem unicamente interessados em jogos eleitoralistas dos seus partidos”, acusa, antes de realçar a saúde financeira da autarquia.

“Os montijenses sabem que, num período de conjuntura muito difícil para os municípios portugueses, temos as contas em dia. Pagamos na hora todos os compromissos assumidos com fornecedores e empreiteiros, não temos dívidas de curto prazo e reduzimos as dívidas de longo prazo, continuamos a baixar os impostos municipais, recuperámos os fundos comunitários e praticamos uma gestão de rigor, transparente e competente”, sublinha.

O socialista considera ainda “absolutamente injustificável” que os partidos da oposição, em conjunto, “queiram prejudicar o Montijo e o seu povo”.