O autarca socialista garante também que não assinará nenhum memorando “que traia o Montijo”

O presidente da Câmara do Montijo está convicto de que a localização do aeroporto complementar à Portela não irá levantar voo da Base Aérea n.º 6 (BA6). O mesmo é dizer que o autarca socialista já não vê forma de a implantação da infra-estrutura aeroportuária poder vir a fugir do concelho. Mais: a decisão do Governo, acredita, estará “para breve”.

Certo é que o presidente da Câmara do Montijo tornará a recusar colocar preto no branco em qualquer documento que não acautele aquelas que considera serem “as condições mínimas” que sirva os interesses do concelho no processo. “Não assino nenhum memorando que traia o Montijo”, garante Nuno Canta, justificando assim a nega dada ao então Governo PSD/CDS-PP, quando este, em vésperas das últimas legislativas, propôs a assinatura do autarca socialista num documento que assumia a instalação do aeroporto complementar à Portela na BA6. A garantia serve ainda para defender posição semelhante a adoptar, caso o Governo actual, liderado pelo socialista António Costa, venha a apresentar memorando idêntico ao município, antes das próximas autárquicas.

Nuno Canta mostra-se confiante de que a tutela irá mesmo avançar para a solução “Portela + 1”, com localização no Montijo, a breve prazo, ou seja, antes mesmo das eleições que vão realizar-se já em 2017. Até porque, lembra, o Orçamento do Estado prevê que “em 2017 será apresentada a solução para o desenvolvimento da capacidade aeroportuária futura na Área Metropolitana de Lisboa”.

Governo não apresentará memorando “sem sentido”

O que o presidente da Câmara não acredita é que o Governo de António Costa apresente ao município um memorando “sem sentido”, frisa, como aquele com que foi confrontado pela anterior gestão da coligação liderada por Pedro Passos Coelho e Paulo Portas. Muito pelo contrário. “Isso não irá acontecer. Até pelo teor de uma reunião que tivemos com o ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, na qual abordámos a questão do novo aeroporto”, revela, acrescentando: “Posso até dizer que as condições [caderno de encargos] que a Câmara Municipal apresentou como fundamentais para que o Montijo possa acolher o aeroporto foram consideradas como um bom trabalho”, adiantou o socialista aos jornalistas, à margem de uma visita às obras da Escola Secundária Jorge Peixinho e também aos trabalhos de execução da nova ligação rodoviária ao Bairro da Bela Colónia, acesso que irá desembocar em Alcochete.

A necessidade de conclusão da Circular Externa até ao Seixalinho é uma das condições que o autarca considera essencial, como a construção da Avenida do Seixalinho com ciclovia, uma nova ligação viária à Ponte Vasco da Gama, a melhoria dos transportes públicos e a prestação do abastecimento de água e do tratamento dos esgotos ao novo aeroporto pelos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento do Montijo.