O presidente da Câmara da Moita, Rui Garcia, afirmou que a solução para o aeroporto deve ser a que melhor sirva os interesses do país, referindo que caso a escolha passe pelo Montijo são necessários investimentos na região.

“Esperamos que a solução tomada seja ao serviço dos interesses do país e não do interessa da ANA. Se a solução passar pela base aérea, é necessário que sejam feitos investimentos na região, nos municípios de Alcochete, Montijo, Barreiro e Moita, para criar condições para que a instalação se faça sem prejuízo para a população que aqui reside”, afirmou o autarca.

Rui Garcia deixou críticas à maneira como o processo do novo aeroporto tem evoluído nos últimos anos.

“Nós, Portugal, não podemos continuar num permanente ziguezague em relação a uma questão tão importante como o novo aeroporto. É uma estrutura fundamental para ligação do país ao estrangeiro e não pode estar sujeita ao circunstancialismo de um governo que diz que é na Ota, outro diz que é no Rio Frio, outro em Alcochete e outro que diz que não é em lado nenhum. Isto não é forma de trata este assunto”, frisou.

Em relação a uma possível ligação entre os concelhos do Barreiro e do Montijo, o autarca defendeu que são necessários estudos que demonstrem a necessidade da infraestrutura e quais os impactes causados.

“O Plano Rodoviário Nacional prevê a ponte entre Barreiro e Seixal e o prolongamento da estrada regional 10, a ligar ao nó do IC33 na Moita. Está estudada e deve ser feita. Se os estudos de impacte ambiental demonstrarem que é necessário e possível uma ligação por ponte entre Barreiro e Montijo, não temos nenhuma objecção de princípio, mas são necessários estudos”, concluiu.