O governante afirmou que novo modelo a produzir em 2017 implicará aumento de emprego

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, está a acompanhar a evolução da situação da Autoeuropa, cuja produção de um novo modelo no próximo ano vai permitir uma “expansão da produção” e do “emprego indirecto” dos fornecedores em Portugal. Na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, em resposta a uma questão do deputado comunista Bruno Dias, relativamente aos receios dos trabalhadores das empresas fornecedoras da Autoeuropa, o governante afirmou: “Temo-nos reunido com a Autoeuropa, é algo que temos que estar atentos neste ano de transição.”

No entanto, “o que vem desse lado [Autoeuropa] é uma boa notícia, vêm novos modelos, vem expansão da produção, será expansão do emprego, também, indirecto do fornecedor português”, acrescentou. “O que temos de garantir é que nessa transição há formação profissional, [em que haverá] um ajustamento, não há perda de empresas ou de emprego”, afirmou.

A partir do próximo mês de Setembro, a fábrica de automóveis da Autoeuropa vai passar de dois para apenas um turno de produção, situação que se poderá prolongar até ao início de produção de um novo modelo, prevista para meados de 2017. Na semana passada, o PCP tinha acusado a Autoeuropa de promover uma “política de garrote” sobre as empresas do parque industrial, lançando concursos para fornecedores em que as empresas vencedoras são as que pagam salários mais baixos. Além disso, também a coordenadora das Comissões de Trabalhadores disse que havia cerca de 300 trabalhadores de empresas do Parque Industrial em risco de perder o emprego devido à quebra de produção da Autoeuropa.