Moscatel Roxo conquista pela primeira vez para a região o troféu “Best Muscat du Monde”

Não foi apenas no futebol que a região, em particular, e Portugal, em geral, conseguiu vergar a França perante o fruto da qualidade e competência que apresenta. A provar isso mesmo esteve o vinho “Adega de Pegões, Moscatel Roxo DO Setúbal”, que foi eleito o melhor Moscatel do Mundo no famoso concurso “Best Muscat du Monde 2016” que se realizou no país gaulês, entre 29 e 30 de Junho.

Além do moscatel de Pegões, a região se Setúbal obteve ainda mais dois lugares no top 10, com o 5.º posto alcançado pelo Moscatel Roxo da Casa Ermelinda Freitas e a 10.ª posição conquistada pelo moscatel roxo da SIVIPA.

Este concurso, realizado anualmente e que já vai na 16.ª edição, além de elaborar o top anual dos moscatéis do mundo (10 melhores) premeia também os restantes que não atingem os 10 primeiros lugares, com medalhas de Ouro e Prata, tendo a Adega de Pegões, neste particular, arrebatado mais duas medalhas de Ouro. A Casa Ermelinda Freitas também juntou mais uma de ouro tal como a Sivipa. Os vinhos da região viram ainda Venâncio da Costa Lima averbar uma medalha de ouro assim como a Adega de Favaios e a Bacalhoa vinhos e a Adega de Palmela uma medalha de prata.

O prémio agora conquistado pela Adega de Pegões já havia, em 2011, sido ganho por um outro moscatel português: Venâncio da Costa Lima conseguira a distinção, porém um “Moscatel de Setúbal DO de uva branca (moscatel de Alexandria). Assim, esta acabou por ser a primeira vez que um Moscatel Roxo – nova moda dos moscatéis – arrebatou este troféu de melhor do mundo.

A Adega de Pegões, recorde-se, situa-se a Sul de Portugal, no concelho do Montijo, e é uma das adegas portuguesas mais premiadas na última década, com mais de 500 prémios conquistados em todo o Mundo, tendo ainda recentemente sido a empresa de Portugal mais premiada no “Portugal wine trophy 2016” (organizado por uma entidade Alemã) ou no conceituado “Selezione del Sindaco 2016” (Itália), no Concurso “Uva de Ouro “, onde obteve 21 medalhas de Ouro.

Produtores de Palmela em destaque

Os produtores do cocnelho de Palmela Casa Ermelinda Freitas, com o Moscatel Roxo de Setúbal – Casa Ermelinda Freitas Superior (2009), SIVIPA com o Moscatel Roxo Superior 10 anos e Venâncio da Costa Lima, com o Moscatel de Setúbal DO – Venâncio da Costa Lima (2012), trouxeram todos medalhas de Ouro do Muscats du Monde 2016. A Adega Cooperativa de Palmela recebeu medalha de prata para o Moscatel de Setúbal DO – Adega de Palmela (2014). Isto, além da inclusão dos Moscatéis da Casa Ermelinda Freitas e da SIVIPA no Top 10 dos Melhores Moscatéis do Mundo 2016, que a Adega de Pegões venceu.

O concurso Muscats du Monde dedica-se em exclusivo a vinhos produzidos com a casta Muscat, pelo que todos os produtos a concurso são avaliados por provadores especializados nesta casta e obedecem a um conjunto de regras de grande exigência, que caracterizam este certame como um dos mais credíveis a nível mundial. Esta 16.ª edição do concurso decorreu em Frontignan-la-Peyrade, registando a participação de 244 vinhos, provenientes de mais de duas dezenas de países. O painel de 55 juízes internacionais avaliou os concorrentes em prova cega e, no total, atribuiu 29 medalhas de ouro e 52 de prata.

Na reunião pública realizada a 6 de Julho, a Câmara Municipal de Palmela aprovou, por unanimidade, uma saudação aos produtores do concelho de Palmela pelos excelentes resultados obtidos neste concurso, que sublinharam, uma vez mais, a nível internacional, a vocação deste território para a produção de moscatéis de grande qualidade.