“Mais relevante é a decisão de substância, que é muito importante para o distrito”, disse a ministra, à margem de uma visita à Misericórdia do Montijo.

Maria Luís Albuquerque, cabeça-de-lista da coligação Portugal à Frente por Setúbal, tem-se desdobrado em visitas à região. Ontem esteve em Barreiro e Montijo, sendo que na véspera deslocou-se à Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) de Alhos Vedros, na Moita, acompanhada pelos candidatos da coligação pela região.

Depois de ter passado pelo Barreiro, a social-democrata apresentou-se na Santa Casa da Misericórdia do Montijo, com Nuno Magalhães a seu lado, numa visita que juntou ainda Maria das Mercês Borges, João Viegas e Nuno Coimbra, presidente da concelhia do CDS-PP local.

Sorridente e extremamente afável no trato, como é habitual, Maria Luís Albuquerque acedeu a comentar ao DIÁRIO DA REGIÃO o tema que marca a atualidade  a implantação do aeroporto complementar à Portela na Base Aérea n.º 6 do Montijo e o fato de a Câmara Municipal, presidida pelo socialista Nuno Canta, ter recusado “assinar de cruz” o memorando de entendimento com o Governo.

“Apenas sei que pediram clarificações, pelo que li no DIÁRIO DA REGIÃO. Mas isso não é o mais importante. Mais relevante é a decisão de substância que é muito importante para o distrito. O resto é detalhe”, disse, deixando assim implícito que Montijo está certo como destino da infra-estrutura, ao mesmo tempo que desvalorizou o facto de a autarquia não ter rubricado o documento.

Críticas à oposição na Moita

No dia anterior, Maria Luís Albuquerque integrou a comitiva dos candidatos da coligação Portugal à Frente que se deslocaram à Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de Alhos Vedros.

Na sequência da visita, os candidatos destacaram o investimento feito pelo Governo na requalificação dos equipamentos de saúde no concelho da Moita. Bruno Vitorino sublinhou que o Governo investiu mais nos últimos 3 anos nas unidades de saúde do concelho da Moita, do que os governos anteriores em 15 anos. “Esta tem sido uma preocupação do Governo, através do ACES Arco Ribeirinho, em requalificar equipamentos, melhorando assim as condições para profissionais de saúde e utentes”, frisou o candidato.

Nos últimos três anos, têm sido “feitas várias obras de melhoramentos nas unidades de saúde do concelho, nomeadamente nas freguesias da Moita, Alhos Vedros, Vale da Amoreira e Baixa da Banheira”.

Os candidatos da coligação criticaram ainda a oposição, “que está sempre a dizer que o Governo não investiu na saúde na região”. “Os factos provam o contrário: melhores equipamentos, mais médicos, mais pessoas com médicos de família”.

A comitiva visitou ainda a União Futebol Clube Moitense, lembrando que “cerca de 100 mil euros vão ser investidos na modernização do campo de futebol, em que mais de 54 mil são de apoio concedido pelo Governo”.