Empresa chinesa interessada em investir na zona ribeirinha da cidade explica que a marina pode ser alterada porque não é “fundamental ou imprescindível” ao projecto. Esclarecimento surge depois de a ministra do Mar ter manifestado as “maiores reservas” à construção de uma marina e afirmado que “nunca permitirá” que seja colocada em causa a acessibilidade ao Porto de Setúbal

 

A Macau Legend Development, empresa chinesa interessada em construir um complexo turístico na zona ribeirinha da cidade de Setúbal, diz que a marina não é uma “peça fundamental ou imprescindível” do projecto e que, como tal, as dimensões desse equipamento devem ser definidas no caderno de encargo do concurso público que deverá ser lançado para esse efeito. A empresa refer que poderá ou não concorrer a esse concurso para a Marina de Setúbal.

Em entrevista ao DIÁRIO DA REGIÃO, Duarte Pinto Gonçalves, responsável para Portugal da Macau Legend, afirma que as reservas da ministra do Mar à compatibilização da marina com o aprofundamento do Canal Norte do rio, correspondem a um visão “correcta e prudente”.

Da parte do Governo português, a empresa aguarda que estejam reunidas as condições necessárias ao arranque formal do projecto, nomeadamente no que respeita à lei de jogo em Portugal.

A ministra do Mar tem reservas ao projecto, especificamente por causa da marina poder pôr em causa a navegabilidade do rio por navios de calado médio. Como vê a empresa esta posição do Governo português?

É correcta e prudente a visão da senhora ministra. O seu gabinete foi, aliás, dos primeiros a conhecer a intenção de realização deste projecto. A existência, ou não, de uma marina dependerá sempre do lançamento de um concurso público internacional relativo à mesma e é no âmbito desse caderno de encargos que deverão ser definidas as características da marina. A Macau Legend analisará em devido tempo esse caderno de encargos e decidirá, então, a sua participação ou não no concurso.

O projecto do complexo turístico de Setúbal da Macau Legend não se confina à Marina, nem a mesma é peça fundamental e imprescindível, embora achemos que contribuirá para a valorização de Setúbal e da região.

As dimensões da mesma são matéria que nos ultrapassa neste momento.

O projecto pode ser alterado, concretamente no que diz respeito à marina?

Neste momento não existe um projecto! Existe um esboço realizado pelos nossos arquitectos, que apenas corresponde a uma ideia. Ideia essa que terá que ser concretizada após a elaboração do respectivo plano de pormenor para a área e conhecimento do eventual concurso de marina. Portanto, tudo está aberto a discussão e alteração.

Em que fase se encontra o processo?

Ainda em fase preliminar, ainda não arrancaram os trabalhos do plano de pormenor. Contamos ter condições para discutir o prévio contrato de planeamento com a Câmara Municipal de Setúbal e arranque do plano até final do ano.

As negociações com a empresa proprietária do Casino Tróia estão concluídas? Em que termos?

Estão a decorrer conforme acordo assinado em Julho passado, que foi publicamente divulgado. Estamos em permanente articulação para que sejam reunidas as condições necessárias à materialização das intenções de ambas as partes.

Há mais algum a coisa que possa dizer-nos?

Apenas que registamos o bom interesse demonstrado pelo Governo até ao momento e aguardamos para que, idealmente em breve, estejam reunidas as condições necessárias ao arranque formal do projecto, nomeadamente no que respeita à lei de jogo em Portugal.