Presidente do Vitória e advogados oficiosos faltaram à sessão de ontem

O tribunal de Setúbal adiou, ontem, para 20 de Outubro o julgamento do presidente do Vitória Futebol Clube e de dois administradores da SAD (Sociedade Anónima Desportiva) por abuso de confiança fiscal, devido à falta dos advogados oficiosos dos arguidos.

O presidente do Vitória de Setúbal, Fernando Oliveira, e os administradores Paulo Oliveira (filho de Fernando Oliveira) e António Aparício respondem pelos crimes de abuso de confiança fiscal, relacionados com os pagamentos de IRS e IVA às finanças. Os três arguidos e os advogados oficiosos nomeados pelo tribunal não compareceram na audiência marcada para ontem, pelo que o Tribunal nomeou outros dois advogados oficiosos, que pediram prazo para consultarem o processo.

Este pedido dos advogados oficiosos obrigou ao segundo adiamento consecutivo do julgamento, dado que, tal como ontem, a sessão marcada para 19 de Maio também não se realizou.

O julgamento de Fernando Oliveira, Paulo Oliveira e António Aparício está agora marcado para as 10h00 do próximo dia 20 de Outubro.

Em Novembro do ano passado, o presidente do Vitória já tinha sido condenado a três anos de prisão, com pena suspensa, devido ao não pagamento de dívidas fiscais. Os outros dirigentes do clube que também eram arguidos nesse processo, Paulo Oliveira, António Aparício e Vítor Hugo Valente, foram absolvidos, porque o tribunal deu crédito à versão do presidente do clube, que se assumiu como único responsável pelos crimes praticados pela Sociedade Anónima Desportiva do Vitória de Setúbal.