A 5.ª edição do Fórum de Treinadores de Futebol/Futsal arrancou, ontem, no Fórum Luísa Todi, com uma entrevista ao técnico do Futebol Clube do Porto, conduzida pelo jornalista Paulo Sérgio

A orientação do treino quando a maior parte do plantel está ausente ao serviço das respectivas seleções nacionais, a construção de uma equipa à imagem do treinador e a forma de lidar com casos de indisciplina, com egos de craques e com as desilusões desportivas foram alguns temas partilhados pelo treinador dos dragões, no pontapé de saída da iniciativa, promovida pela Associação Nacional de Treinadores de Futebol e integrada na programação de Setúbal Cidade Europeia do Desporto 2016.

José Peseiro afirmou que o treinador de futebol “está dependente de um negócio e tem de se adaptar a todas as circunstâncias” e defendeu que para criar uma equipa à sua imagem “os jogadores devem materializar as ideias do treinador de forma consciente e não como autómatos”. O actual técnico do clube azul e branco aconselhou e desafiou os aspirantes à profissão a registar todos os momentos do treino. À pergunta de Paulo Sérgio sobre se ainda se lembrava dos treinos quando começou a carreira na União Desportiva de Santarém, foi peremptório: “Claro, está registado. Mas não gosto das anotações”, brincou.

Antes, já o vereador da autarquia de setubalense, com o pelouro do desporto, Pedro Pina, tinha sublinhado a “excelente iniciativa”, durante a sessão de abertura do evento que decorre até hoje.

Sobre a iniciativa, Pedro Pina aludiu, num tom descontraído, às similaridades entre as missões de autarca e de treinador de futebol, inspirando-se na linguagem futebolística para descrever o quotidiano camarário.

“Tal como vós, temos equipas, com capitães, pontas-de-lança e atacantes. Temos aqueles que, na retaguarda, sabem muito bem defender e antecipar as necessidades, e até craques”, adiantou, sem esquecer os árbitros, para se referir a entidades como o Tribunal de Contas e a Inspeção-Geral de Finanças.

Para Pedro Pina, é fácil contaminar o discurso com a linguagem futebolística até porque “o futebol imita a vida, ou melhor, é a própria vida”, disse, acrescentando que a modalidade desportiva, tal como a vida autárquica, se traduz numa comunhão “de emoções fortes e no desejo de ser sempre melhor”.

O vereador lembrou ainda que a urbe sadina “deu e recebeu, ao longo dos anos, nomes tão importantes do futebol português, sobretudo ao serviço do enorme Vitória Futebol Clube”, referindo-se a individualidades como Félix Mourinho, José Mourinho, Fernando Vaz, José Maria Pedroto, Fernando Tomé e Jacinto João.

A mesma ideia foi reforçada pelo presidente da Associação de Futebol de Setúbal, Sousa Marques. “Setúbal tem um historial forte no desporto e, em particular, no futebol. É uma referência na área do treino. Aliás, um dos melhores treinadores de futebol do mundo é de Setúbal.”

José Pereira e Fernando Gomes elogiam iniciativa

Já o presidente da Associação Nacional de Treinadores de Futebol, José Pereira, sublinhou que o Fórum de Treinadores de Futebol/Futsal “é o evento mais importante realizado em Portugal na formação de técnicos”, representando um “esforço contínuo que aponta à actualização de conhecimentos teórico-práticos”.

A importância do evento foi igualmente realçada pelo presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes. “Trata-se de um espaço de formação de excelência, uma referência na família do futebol e que contribui para o desenvolvimento de mais e melhores treinadores”, considerou. Este investimento, vincou Fernando Gomes, contribui para o reconhecimento internacional do treinador de futebol português, com 9 500 técnicos reconhecidos pela UEFA, e está reflectido na realidade das duas ligas profissionais de futebol em Portugal. Das 42 equipas, 38 são orientadas por técnicos lusos.