O montijense reuniu os apoios necessários na Comissão Política da secção montijense e está disposto a avançar

João Afonso, que renunciou ao cargo de deputado da Assembleia Municipal do Montijo, eleito pelo PSD, vai ser proposto à Distrital de Setúbal do partido para encabeçar a lista social-democrata à Câmara montijense nas próximas eleições autárquicas. O ex-líder da bancada laranja na Assembleia Municipal estará disposto a avançar, depois de ter reunido os apoios necessários na Comissão Política da secção local, presidida por Pedro Vieira, apurou o DIÁRIO DA REGIÃO.

Pelo caminho fica o nome de João Paulo Dinis, que chegou a ser sondado numa primeira fase para o efeito, não obstante quer o próprio quer Maria das Mercês Borges, além de Pedro Vieira, terem desmentido qualquer abordagem ao independente que figurou no terceiro lugar da lista encabeçada por Mercês Borges à Câmara nas últimas autárquicas.

Em declarações ao DIÁRIO DA REGIÃO, fonte da Comissão Política do Montijo deixou implícito que o nome de João Afonso é já mais do que uma mera hipótese. “Será um fortíssimo candidato do PSD à Câmara”, disse, sublinhando que, no entanto, o partido a nível nacional ainda não tem candidatos escolhidos. Porém, frisou, “a confirmar-se, será um óptimo candidato”, adiantou.

João Afonso não confirma nem desmente. “Não vou pronunciar-me. Há orientações expressas do Conselho Nacional do partido, como foi ontem noticiado, que impede que sejam anunciadas previamente essas questões. Como militante do PSD, portanto, não vou tecer qualquer comentário”, disse o social-democrata ao DIÁRIO DA REGIÃO, acrescentando: “Não confirmo nem desminto. Vou calmamente aguardar por 15 de Outubro para depois tomar uma posição.”

Pedro Vieira, presidente da Comissão Política da secção do Montijo, também usou o mesmo argumento para se escusar a comentar a candidatura de João Afonso à presidência da autarquia.

Certo, para já, ao que apurou o DIÁRIO DA REGIÃO, é que o nome de João Afonso encontrou apoio suficiente no seio da Comissão Política do Montijo para avançar.

Carlos Jorge de Almeida muda-se para Montijo

No Montijo estão, assim, praticamente definidos os nomes dos cabeças-de-lista dos três partidos com assento no executivo camarário para as autárquicas do próximo ano.

Pelo PS, que tem a gestão da autarquia com maioria relativa, irá recandidatar o presidente Nuno Canta, conforme o próprio deixou escapar no decorrer de uma reunião do executivo municipal, num debate mais acalorado com os vereadores da oposição. “Terá de esperar pelas próximas eleições autárquicas e eu lá estarei a disputá-las”, disse, então, Nuno Canta em resposta a uma declaração política do vereador da CDU, Carlos Jorge de Almeida, que teceu duras críticas às sucessivas gestões socialistas no município, já depois de se ter registado mais uma aturada discussão entre o presidente e o vereador do PSD, Pedro Vieira.

Carlos Jorge de Almeida deverá encabeçar a lista da CDU. O comunista alcançou um resultado considerado muito satisfatório nas últimas autárquicas e tem vindo a realizar um trabalho de sapa pelo concelho, desdobrando-se em contactos com os movimentos associativos e empresariais do concelho. À parte disso, não deixa de ser sintomático o facto de ter fixado recentemente residência em Montijo, tal como o próprio anunciou na sua página da rede social Facebook. “Pois hoje é tempo de anunciar – não sei como se chama a cidadã montijense – que está cumprido o compromisso que lhe fiz em plena campanha para as eleições autárquicas de 2013, e que reiterei o ano transacto na recepção da Procissão: já resido em Montijo e aqui a família fixou a sua residência para continuar a tentar construir em harmonia e paz o seu caminho”, escreveu o comunista, que nas últimas eleições foi criticado pelo adversário socialista, Nuno Canta, precisamente por não ser do Montijo.

Assim, o concelho montijense e conforme o DIÁRIO DA REGIÃO já havia avançado oportunamente o primeiro do distrito a ter praticamente definidos os cabeças-de-listas de PS (Nuno Canta), CDU (Carlos Jorge de Almeida) e PSD (João Afonso).

Mário Rui Sobral