O comunista defende ainda que são necessários mais médicos para que exista uma capacidade de resposta adequada à população local

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou na sexta-feira que são necessárias medidas urgentes para o Centro de Saúde da Baixa da Banheira, na Moita, sublinhando que é preciso haver mais médicos para responder aos utentes.

“Para uma população de 30 mil pessoas, o quadro devia ser preenchido com 14 médicos e existem três. Isto origina adiamentos de consultas, falta de resposta aos utentes, além da necessidade de se construir um novo centro de saúde, tendo em conta as condições do edifício”, disse o líder do PCP, que visitou o centro de saúde e reuniu-se com o director dos Agrupamentos de Centro de Saúde do Arco Ribeirinho, acompanhado por autarcas locais e pela comissão de utentes.

“É preciso mais médicos para dar resposta a esta população, pois formam-se filas de centenas de pessoas às 5h00 e depois chegam às 10h00 e não têm consulta. São precisas medidas urgentes, com a colocação de novos médicos, de modo a criar condições. O problema estrutural resolve-se com o novo centro de saúde”, salientou.

A Comissão de Utentes da Baixa da Banheira, que este sábado realizou uma sessão pública no Largo João de Deus, com o objectivo de exigir mais médicos e melhores condições, lembra que a falta de médicos apenas se resolve com a construção do novo equipamento, uma ambição antiga. Até porque, o actual centro de Saúde funciona num prédio e não tem condições nem atrai profissionais para trabalharem naquele local.

Apesar de existir a garantia do Governo de que a construção do equipamento vai avançar, a comissão considera que é necessário “ver a obra no terreno”, uma vez que a mesma “já foi diversas vezes adiada”.