Enormes labaredas assustaram moradores da encosta junto ao hotel e alarmaram centenas de pessoas que observavam o fogo de várias partes da cidade

 

O incêndio que deflagrou segunda-feira à noite e que destruiu uma zona de canavial e mato em Brancanes, em Setúbal, foi dado como extinto às 02h47 de ontem, informaram os bombeiros.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal, o incêndio provocou apenas um ferido, que estava hospedado na Estalagem do Sado e que foi transportado ao Hospital de São Bernardo devido a inalação de fumos. Uma mulher alemã, grávida, hospedada na Estalagem do Sado, em Setúbal, teve de ser assistida no hospital local, por inalação de fumos na sequência do incêndio, mas teve alta durante a madrugada, disse à Lusa fonte hospitalar. Inicialmente, os bombeiros tinham avançado a informação de que teria sido transportado ao hospital um cidadão britânico, por inalação de fumos, mas, tratava-se, afinal, de uma mulher grávida, de nacionalidade germânica. O Hospital de São Bernardo não revelou os motivos pelos quais a mulher foi assistida no serviço de obstetrícia.

O incêndio esteve bastante perto da unidade hoteleira Estalagem do Sado, que foi evacuada por precaução, e terá provocado alguns prejuízos no lado nascente do edifício, mas os bombeiros garantem que não houve danos estruturais.

Os moradores de diversos prédios e moradias da zona assustaram-se com as enormes labaredas provocadas pelo incêndio, mas não há registo de qualquer imóvel atingido pelas chamas.

No combate ao fogo estiveram envolvidos 85 operacionais e 29 veículos de diversas corporações de bombeiros da região de Setúbal e das forças de segurança.

Alguns bombeiros e diversas viaturas ficaram no local até às quatro horas da madrugada, a efectuar as operações de rescaldo.

GNR investiga origem do fogo

As causas do incêndio, que começou na estrada Nacional 10, junto a esta paragem de autocarros, estão a ser investigadas pela Guarda Nacional Republicana (GNR). Ontem de manhã a recolha de indícios, por parte de técnicos da guarda, continuava no local. O fogo deflagrou junto á estrada e subiu depois a encosta, em direcção à Estalagem do Sado e demais habitações. Este local tinha um forte canavial e muitas árvores de grande porte, material muito combustível que, com o imenso calor que se fez sentir na noite passada, explica a assustadora dimensão das chamas.

Oito corporações de bombeiros atacaram chamas

Oito corporações de bombeiros, de vários concelhos da região, foram mobilizadas para o combate ao incêndio que assustou os residentes junto à estalagem. “Os moradores estão preocupados porque o vento está a soprar de norte e a projectar o fogo em direcção às casas”, disse à Lusa o segundo comandante distrital de bombeiros, Rui Costa, adiantando que até ao momento, o fogo destruiu apenas mato e algumas árvores de grande porte.