À quarta tentativa foi mesmo de vez! Depois de três empates consecutivos no Estádio do Bonfim, o Vitória alcançou na sexta-feira o tão desejado triunfo caseiro, estreando-se a ganhar na presente época em partidas realizadas em Setúbal. A vítima foi o Estoril e o herói dos sadinos foi André Claro, autor do único golo do encontro, cujo placard se fixou em 1-0.

Apesar de os canarinhos se terem apresentado em Setúbal com a possibilidade de ascender provisoriamente ao 1.º lugar da tabela, o Vitória mostrou desde o apito inicial estar preparado para lutar pelos três pontos. O treinador Quim Machado afirmara na antevisão ao jogo que a “equipa tinha forçosamente de ganhar”. Com mérito, conseguiu-o.

O primeiro remate do jogo aconteceu ainda antes de estar cumprido o primeiro minuto. Num pronúncio para o que acabaria de fazer já na segunda parte, André Claro, de meia distância, rematou ao lado da baliza do guardião polaco Kieszek.

Os canarinhos responderam pouco depois, aos 6 minutos, num remate forte do brasileiro Bruno César, que serviu para testar a atenção de Ricardo. Num jogo de muita luta e equilíbrio as oportunidades de golo surgiam junto de ambas as balizas. Aos 28 minutos, o sadino Arnold rematou sobre a trave e, aos 31, Afonso Taira só não marcou devido a corte providencial de Frederico Venâncio.

Pouco depois foi a vez do árbitro João Capela aparecer no jogo pelos piores motivos. Aos 33 minutos, não assinalou grande penalidade a favor do Vitória a castigar derrube de Mano a Arnold. Cinco minutos volvidos, deveria ter exibido cartão vermelho a Rúben Semedo que agarrou o estorilista Léo Bonatini, ainda fora da área, quando este se encaminhava para a baliza.

Polémica à parte, a melhor oportunidade de golo aconteceu à beira do intervalo (45’+1) quando o avançado sul-coreano Suk, após cruzamento de Nuno Pinto na esquerda, cabeceou ao poste direito da baliza de Kieszek.

O Vitória não marcou ao terminar a primeira parte, mas fê-lo no início do segundo tempo num lance em que Suk, melhor marcador dos sadinos (com cinco golos) voltou a ser protagonista, teve um papel decisivo. O internacional da Coreia do Sul desenvencilhou-se de dois adversários e rematou para defesa incompleta de Kieszek. Oportuno na recarga, André Claro fez o 1-0 que colocou em festa os adeptos sadinos.

Fabiano Soares, técnico do conjunto da Linha, fez depois do golo três alterações na equipa com as entradas de Billal, Luiz Phellype e Dieguinho, mas as mudanças não tiveram efeitos práticos. O Vitória soube segurar a vantagem tangencial. Nota também para o desacerto dos canarinhos no remate final. Aos 90 minutos, Léo Bonatini e Dieguinho deram, para satisfação dos anfitriões, pontapés na atmosfera, passando o perigo para a baliza de Ricardo.

Com o desfecho de sexta-feira, o Vitória soma agora 10 pontos em sete jornadas, enquanto o Estoril continua com os mesmos 12 com que entrou para a ronda actual. Na próxima jornada, agendada para 25 de Outubro (16 horas), a equipa de Quim Machado joga no reduto do Moreirense. Antes disso, há as estreias nas presentes edições da Taça de Portugal (com o Coruchense) e Taça da Liga (Moreirense).

Quim Machado (treinador do Vitória):

«Satisfação enorme por termos vencido»

“A satisfação é enorme por termos vencido em nossa casa. Depois de três empates nos jogos anteriores, andávamos à procura desta vitória paa retribuir aos nossos adeptos o apoio que nos têm dado. Hoje era o dia limite para o conseguirmos, tínhamos de ganhar. Na primeira parte, tivemos o remate do Suk ao poste e um penálti a nosso favor [sobre Arnold] que não foi assinalado. Entrámos bem depois do intervalo e chegámos ao golo. O Estoril reagiu, mas os nossos defesas conseguiram resolver esses lances. Foi um jogo equilibrado, mas, pela nossa crença, a vitória assenta-nos bem. Pedi aos meus jogadores mais concentração  e espírito de sacrífício e conseguimos ser mais equilibrados”.