Sadinos interrompem série de três derrotas consecutivas no campeonato

O Vitória alcançou anteontem uma igualdade (1-1) no reduto do Feirense, resultado que permitiu aos setubalenses interromper uma série de três derrotas consecutivas na I Liga portuguesa de futebol. O médio Fábio Pacheco, a cinco minutos do final do encontro, foi o autor do golo que valeu à equipa um ponto em Santa Maria da Feira.

Com um golo de Ícaro, o conjunto nortenho inaugurou o marcador quando o cronómetro assinalava 53 minutos, obrigando os comandados de José Couceiro a pressionar a área contrária na busca da igualdade. O esforço verde e branco foi recompensado já depois de vários avisos deixados por remates perigosos de João Amaral e André Claro.

Com um início de jogo equilibrado, o Vitória sofreu uma contrariedade logo aos nove minutos, após a saída forçada de Frederico Venâncio, por lesão. Para o seu lugar, José Couceiro fez entrar Fábio Cardoso, central que tinha sido titular na jornada anterior na derrota (0-1) na recepção ao Marítimo.

O Feirense deu o primeiro sinal de perigo, quando Vítor Bruno cobrou um livre directo, mas Bruno Varela – guarda-redes que regressou à titularidade, por troca com Trigueira, depois de ser suplente na partida da Trofa na Taça de Portugal – evitou o golo com uma boa defesa, aos 16 minutos.

No início da segunda parte, aos 47 minutos, os anfitriões, treinados por José Mota, ex-técnico do Vitória, teve a oportunidade de se colocar em vantagem na transformação de um livre perigoso. Etebo rematou forte e colocado, mas Bruno Varela, mais uma vez em bom plano, opôs-se com uma boa defesa ao remate colocado junto do poste direito.

No lado do Vitória, o brasileiro Thiago Santana, que fez a sua estreia em jogos do campeonato, esteve em destaque por um par de oportunidades desperdiçadas na baliza defendida por Vaná. Mais eficaz foi o Feirense que chegou à vantagem numa bola parada, quando Luís Aurélio cobrou um livre e colocou a bola na cabeça de Ícaro, defesa que desviou para o 1-0, aos 53 minutos.

A perder, José Couceiro apostou, de uma assentada (70 minutos) nas entradas de Meyong e André Claro para dar mais dinâmica ofensiva à sua equipa e, aos 77 minutos, o Vitória quase chegou ao empate. André Claro surgiu à entrada da área e desferiu um remate potente, ao qual o guardião dos nortenhos se opôs com uma defesa espectacular.

Mais pressionante, o Vitória acabou por ser recompensado pela atitude demonstrada e chegou ao empate aos 85 minutos na sequência de um canto. Num lance confuso, o médio, e capitão, Fábio Pacheco aproveitou um ressalto para desviar a bola para o fundo baliza, com o guarda-redes Vaná impotente para impedir o remate vitorioso.

«A haver um vencedor seria o Vitória»

José Couceiro

“Parece-me que a haver um vencedor seria o Vitória. Fomos a equipa que teve o controlo do jogo durante mais tempo. Sofremos com os lances de bola parada, já que a equipa do Feirense é mais alta. Se marcássemos primeiro acredito que venceríamos. Depois do empate a equipa continuou a mostrar que queria vencer. Era importante pontuar para quebrar o ciclo de três derrotas e a nossa vitória seria o resultado mais justo. Fomos superiores ao Feirense, mas infelizmente não conseguimos vencer. Contudo, o campeonato não se decide em Outubro mas sim em Maio.”

Vitória joga em Castelo Branco na Taça de Portugal 

Depois de afastar o Trofense, no desempate através da marca de grandes penalidades (4-2 após 0-0 nos 120 minutos, o sorteio da 4.ª eliminatória da Taça de Portugal, realizado na sexta-feira, ditou a visita do Vitória à capital da Beira Baixa para defrontar o Benfica de Castelo Branco, equipa da série E do Campeonato de Portugal.

Sobre a partida, cuja realização está prevista para 20 de Novembro, dia do 106.º aniversário do Vitória, José Couceiro teceu o seguinte comentário. “A Taça cria sempre problemas em todo o lado. Espero um jogo tão difícil como o da Trofa. Respeitamos o Benfica de Castelo Branco. Espero também que possamos passar aos oitavos. Já está em prova os últimos 32 clubes e a seguir ficam os últimos 16. Vamos querer lá estar”, disse o técnico que está agora focado no embate de quarta-feira (16 horas) da Taça da Liga, no Bonfim, com o Santa Clara.

Entretanto, também na Taça de Portugal, o Cova da Piedade, outro emblema da região ainda em prova, desloca-se ao Estádio António Coimbra da Mota para defrontar o Estoril, da I Liga.

Ricardo Lopes Pereira