Ricardo Lopes Pereira

Antes da estreia na presente edição da Taça de Portugal no reduto do Coruchense – partida que se realiza no próximo sábado (15 horas) –, o Vitória ensaiou anteontem com o Oriental, da 2.ª Liga, a estratégia a utilizar em Coruche. Mais do que o triunfo, por 1-0, o treinador Quim Machado retirou ilações positivas numa partida em os sadinos, mesmo com alguma pechas, voltaram a estar, em termos exibicionais, em bom plano.

O golo do triunfo só aconteceu na segunda parte por intermédio do médio Alexandre Cardoso. O brasileiro, ex-Beira-Mar, fez o único tento na recarga a um remate forte de André Claro quando o cronómetro assinalava o minuto 59. O mais próximo que os lisboetas estiveram de conseguir a igualdade foi num lance em que Gilson Varela (77 minutos) rematou a centímetros do poste esquerdo da baliza de Miguel Lázaro, terceiro guardião utilizado na partida.

Numa primeira parte em que o Vitória entrou dominador, o primeiro aviso foi dado pelo mexicano Uli Dávila, aos 6 minutos, num remate que saiu sobre a trave da baliza de Veloso. O treinador Quim Machado, que celebrou anteontem o 49.º aniversário, fez alinhar de início um onze que deverá estar próximo do que pretende utilizar na Taça de Portugal em Coruche.

Lukas Raeder, William, Frederico Venâncio, Rúben Semedo, Nuno Pinto, Dani, Arnold, Costinha, André Horta, Uli Dávila e Vasco Costa formaram o onze titular. Após o intervalo, à excepção de Rúben Semedo, o técnico trocou 10 jogadores. Diego, Gorupec, François, Tissone, Cléber Prado, Alexandre Cardoso, Ruca, Shaher, André Claro e Hassan. Nota ainda para a entrada do guarda-redes Miguel Lázaro aos 65 minutos por troca com Diego.

Além do sul-coreano Suk, que se encontra ao serviço da seleção do seu país, o guarda-redes Ricardo, os defesa Miguel Lourenço e os médios Fábio Pacheco e Paulo Tavares não participaram no jogo. Após a folga de ontem, os sadinos retomam hoje os treinos, no Bonfim, às 9h30.

Avançado Hassan não vê a hora de fazer o primeiro jogo oficial

«Quero estrear-me o mais cedo possível pelo Vitória»

Ricardon Lopes Pereira

Apos 21 anos, Hassan aguarda por uma oportunidade de Quim Machado para se estrear pelo Vitória. “Sou ambicioso e luto todos os dias pelo meu espaço. Quero estrear-me o mais cedo possível”, revela, não escondendo que pretende seguir os passos do pai Hassan Nader, antigo avançado do Farense e Benfica. “Quero fazer melhor do que ele. Tenho o objectivo de ser o melhor marcador da Liga. Trabalho todos os dias para isso”, sublinha.

Estreou-se numa convocatória na última jornada frente ao Estoril. De que forma viveu esse momento?

É uma alegria ter sido convocado e fazer parte deste plantel na 1.ª Liga. Sou ambicioso e luto todos os dias pelo meu espaço. Quero estrear-me o mais cedo possível.

Já no próximo jogo da Taça de Portugal com o Coruchense?

A vontade de me estrear é grande, independentemente de ser na Taça de Portugal, da Liga ou no campeonato. É sempre uma grande alegria jogar pelo Vitória. É um sonho que tenho desde que vim para a formação e que estou a treinar na equipa principal.

O Vitória tem um dos melhores ataques da prova. A forte concorrência que tem é um estímulo?

Sinto-me incentivado e orgulhoso por jogar com o Suk e o André Claro. Temos um dos melhores ataques e é sempre bom fazer parte desta equipa. Espero ajudar quando chegar a minha vez e desejo que a equipa continue forte. É bastante positivo e é com  grande alegria que vejo a equipa com este grande arranque. O Suk marcou cinco golos e o André Claro quatro. Estamos numa boa posição e vamos procurar assegurar a manutenção o mais rápido possível. Quantos mais golos e pontos fizermos, melhor.

O seu pai [o avançado do Vitória é filho de Hassan Nader, antigo internacional marroquino e ex-jogador do Farense e Benfica] dá-lhe alguns conselhos?

Falo com ele todos os dias. Ficou contente por me ter estreado nos convocados e ter aparecido na televisão. Diz-me para continuar a trabalhar, cada vez mais forte, para depois me estrear o mais rápido possível na Liga ou Taça de Portugal com a camisola do Vitória e marcar golos. O meu pai foi um grande jogador da 1.ª Liga e chegou a ser o melhor marcador do campeonato nacional. Quero fazer melhor do que ele. Tenho o objetivo de ser o melhor marcador da Liga. Trabalho todos os dias para isso. Primeiro tenho de fazer parte da equipa, depois marcar golos para ser o melhor marcador.