Embaixador norte-americano Robert Sherman considera que a infra-estrutura portuária da região “é fundamental” para a independência da Europa em relação à Rússia

A sustentabilidade energética do Velho Continente vai depender, e muito, do Porto de Sines, que se apresenta como principal infra-estrutura portuária na fachada ibero-atlântica. O reconhecimento da importância do Porto de Sines não só para o nosso País como também para a Europa foi, de resto, sublinhado pelo embaixador dos Estados Unidos da América em Portugal, Robert Sherman.

Portugal e, em particular, o Porto de Sines “é fundamental” para a independência energética da Europa em relação à Rússia, considerou o diplomata norte-americano. “É um grande desafio Sines [um porto de águas profundas] poder contribuir para a sustentabilidade energética da Europa”, disse Robert Sherman, durante a realização do seminário “Exportar & Investir: EUA”, que decorreu esta segunda-feira em Lisboa. O diplomata, a propósito do interesse dos norte-americanos pelo mercado português, lembrou ainda: “Os americanos descobriram Portugal, como Portugal descobriu a América há anos.”

Já o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP), Bruno Bobone, afirmou que este é o momento de as empresas portuguesas olharem para o mercado norte-americano. Sobre a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP), Bruno Bobone foi peremptório, adiantando que “Portugal é o país [da Europa] que mais beneficiará com a sua aprovação” e que terá “mais vantagens” com esse acordo.

O Porto de Sines apresenta características geo-físicas que têm contribuído para a sua consolidação como activo estratégico nacional, sendo, por um lado, a principal porta de abastecimento energético do país (petróleo e derivados, carvão e gás natural) e, por outro, posiciona-se já como um importante porto de carga geral/contentorizada com elevado potencial de crescimento para ser uma referência ibérica, europeia e mundial.

Ano fecha com 43,9 milhões de toneladas de mercadorias movimentadas

O Porto de Sines voltou a registar um aumento significativo nas mercadorias movimentadas. A infra-estrutura portuária anunciou que fechou 2015 “com mais de 43,9 milhões de toneladas de mercadorias movimentadas”, o que representou “um crescimento de 17%” em relação a 2014 e para o qual contribuíram “todos os segmentos de carga”.

No que respeita à carga contentorizada, “foram movimentados 1,33 milhões de TEU, mais 8,5% que no ano passado, mantendo-se a trajectória de crescimento sustentado que este tipo de carga tem apresentado desde a entrada em operação do Terminal XXI”, sublinha o Porto de Sines.

O segmento dos granéis sólidos, onde se destaca o carvão, “foi o que mais cresceu, com uma evolução de 19.5% para os 5,9 milhões de toneladas de mercadorias”. Já no segmento dos granéis líquidos, que inclui ramas, refinados e gás natural, “foram alcançados 21,5 milhões de toneladas movimentadas, representando um crescimento homólogo de 19,1%”.

Em 2015 o Porto de Sines recebeu 2.187 navios, mais 9,2% que no ano anterior, enquanto que o GT total aumentou 14%, para mais de 80 milhões de toneladas, “demonstrando que os navios operados em Sines são cada vez de maior porte”.

“Estes resultados estão intimamente relacionados com a dedicação e capacidade de toda a Comunidade Portuária que, diariamente, trabalha para garantir a elevada qualidade do serviço prestado aos clientes do porto”, conclui o Porto de Sines.

Mais de 11 milhões de toneladas movimentadas no primeiro trimestre deste ano

O arranque deste ano voltou a mostrar um crescimento no movimento de mercadorias em relação a igual período de 2015. Nos primeiros três meses de 2016, o Porto de Sines movimentou mais 13,4 por cento de mercadorias comparativamente ao período hómologo do ano transacto, totalizando 11,3 milhões de toneladas de mercadorias”, anunciou recentemente a Administração do Porto de Sines (APS).

De acordo com a APS, nos principais segmentos de carga registou-se “um crescimento de 29,4 por cento nos graneis sólidos, 25,2 por cento na carga geral e 1,7 por cento nos graneis líquidos”.

Já no que respeita aos contentores, o Porto de Sines atingiu “uma movimentação de 309.822 TEU”, o que representa mais 10,9 por cento, quando comparado com o primeiro trimestre de 2015.

Estes primeiros três meses de actividade também mostram outros números positivos, como no caso das embarcações, em que a infra-estrutura portuária registou ainda “um crescimento de 20,7 por cento nos navios recebidos, a par do aumento do porte dos mesmos (+24,1 por cento no Gross Tonnage)”.