A organização, a cargo do município e da ALIUS VETUS, quer chegar aos 30 mil visitantes, quase duplicando os da 1.ª edição

A Feira Medieval de Palmela, que decorre entre os dias 25 e 27 deste mês, conta, nesta 2.ª edição, com um perímetro alargado a algumas ruas do centro histórico da vila e apresenta como principal novidade ao nível da programação o Ritual Almenara.

Depois de, no ano passado, a feira se ter realizado no interior e na rua de acesso ao castelo, este ano, e para facilitar a circulação dos visitantes, o perímetro da feira é alargado. Para além do castelo, abrangerá o miradouro, onde passam a realizar-se os torneios, e a Alameda Nuno Álvares Pereira e o Largo D. Afonso Henriques, onde haverá feirantes e animação, adianta Luís Calha, vereador do Desenvolvimento Económico e Turismo da Câmara Municipal de Palmela, que organiza o evento, em conjunto com a  Associação Cultural História e Património (ALIUS VETUS). O número de feirantes que vão marcar presença ainda não está fechado, mas o vereador promete uma “grande diversidade de feirantes”, em número superior ao do ano passado.

Ao nível do programa, que será divulgado nos próximos dias, o destaque vai para o Ritual Almenara, no dia 26, às 23 horas, no castelo. Trata-se da recriação do episódio em que, durante o cerco de Lisboa pelos castelhanos, o Condestável D. Nuno Álvares Pereira – após a vitória na batalha dos Atoleiros (1384) – acendeu grandes fogueiras no Castelo de Palmela para alertar o Mestre de Avis, em Lisboa, de que a ajuda estava próxima. No próximo ano, adianta Luís Calha, a recriação do ritual vai decorrer em simultâneo nos Castelos de Palmela e de São Jorge, no âmbito do projeto de promoção turística e cultural que a câmara está a construir com o município de Lisboa.

O programa de animação e as várias atividades vão remeter para o imaginário da vida quotidiana na idade média, baseada na história de Palmela e do castelo no século XIV, incluindo músicas, canto e animações teatrais, bailes e danças populares, jogos tradicionais, espetáculos circenses e de fogo, torneios de armas e cavaleiros e falcoaria. Serão recriados episódios como bailios e folguedos em honra de D. João, Mestre de Avis, o torneio em honra de D. João, ou o arauto que anuncia na vila que os castelhanos foram derrotados em Lisboa pela peste e pelas tropas portuguesas. O vereador destaca o “forte envolvimento da população, das associações culturais, restauração e hotelaria” nesta programação.

Vereador confiante no sucesso da 2.ª edição

“Estou confiante no sucesso desta 2.ª edição, porque vamos ter uma Feira Medieval de Palmela com grande qualidade. A nossa expectativa é que esta edição supere em muito a anterior em termos de adesão do público”, afirma Luís Calha, prevendo que o evento receba cerca de 30 mil visitantes, quase o dobro da 1.ª edição (17 mil visitantes). O vereador lembra o trabalho de divulgação e promoção da feira que o município tem realizado ao longo do último ano, através da BTL, da Feira Medieval de Silves ou da Rede Europeia de Cidades do Vinho, da qual Palmela integra a direção.

“Acredito que será um evento marcante que irá valorizar Palmela, projetar as nossas memórias históricas e culturais e proporcionar uma experiência intensa e inesquecível a todos os visitantes. Temos como objetivo que as pessoas vivam, respirem e abracem o código genético de Palmela, numa viagem ao passado e à nossa valiosa herança histórica”, realça. Na sua opinião, “aquilo que distingue a Feira Medieval de Palmela é precisamente Palmela, a sua história marcante e muito influente no contexto nacional”.

Este ano, o valor das entradas na feira vai manter-se (2 euros para o bilhete diário e 4 euros para o bilhete de três dias), por serem “preços favoráveis para as famílias”, acredita o vereador. Os visitantes contarão também com uma maior oferta de lugares de estacionamento, com o novo parque junto à Alameda D. Nuno Álvares Pereira, nas imediações da Igreja de S. Pedro.