A escola foi o tema principal da reunião do executivo municipal, tanto em quantidade de propostas debatidas e votadas como na discussão gerada. O debate aqueceu um pouco quanto ao encerramento da antiga Escola das Areias

A Educação foi o tema dominante na reunião de ontem da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, que decorreu nos paços do Concelho, aberta ao público, com o executivo municipal a debater e votar seis propostas, da agenda de trabalhos, relativas a questões escolares.

Logo antes do período da ordem do dia, a temática foi lançada por um grupo de três mães, de zonas rurais do concelho, designadamente de Arêz e Albergaria, que voltaram á reunião pública de Câmara, depois de já o terem feito em Setembro, para mostrarem o seu descontentamento com o forma como está a ser realizado o transporte escolar das crianças destas localidades para a escola localizada na cidade de Alcácer do Sal.

As mães queixam-se de o circuito de transporte actual, feito pela Rodoviária do Alentejo, por contrato com o Município, representar quase uma hora de viagem, entre a casa e a escola, e de isso “cansar” as crianças.

Após a exposição feita no arranque do ano lectivo, as mães quiseram saber se a Câmara Municipal já tinha encontrado uma solução para o problema.

O vereador do pelouro da Educação explicou que a autarquia está a tratar do caso, com a Rodoviária do Alentejo, e que vão passar a ser feitos dois circuitos de transporte, o que reduzirá os tempos de viagem. Uma solução que aguarda que a empresa tenha disponível um autocarro pequeno, de pouco mais de 20 lugares, para afectar a esse serviço. Manuel Vítor de Jesus informou que esse mini-bus está a ser reparado, em Évora, para depois entrar ao serviço.

O assunto acabou por aquecer um pouco o debate, entre CDU e PS, depois de o presidente da Câmara, Vitor Proença (CDU) ter pedido às mães para esclarecerem uma afirmação que, segundo a acta da última reunião em que estiveram presente, terão proferido; que aceitaram o encerramento da Escola do Areias – a questão é relevante porque se essa escola não tivesse encerrado, no tempo do executivo PS, não seria agora necessário o transporte que tem gerado descontentamento.

As mães garantiram que não fizeram tal afirmação e que nem sequer foram informadas pelo anterior executivo municipal (PS) sobre o encerramento da escola.

A discussão subiu um pouco de tom, com a vereadora do PS, Isabel Vicente – hoje na oposição mas que integrava o executivo PS quando do processo de encerramento da escola –, a dizer que o presidente da autarquia estava a “tentar desviar o assunto”.

Discussão à parte, o assunto foi encerrado com Vítor Proença a pedir ao vereador Manuel Vítor de Jesus para reunir com as mães e encontrar uma solução “na sua presença”.

De propostas concretas, o executivo aprovou, por unanimidade, seis propostas de apoio à actividade escolar no concelho.

Foram aprovados auxílios económicos directos e actividade de animação e apoio à família nos estabelecimentos de educação pré-escolar, transferências para as famílias relativas aos transportes escolares, e ainda quatro propostas para a renovação de protocolos, entre o Município e os agrupamentos de escolas de Alcácer do Sal e do Torrão, o Centro Cultural dos Bairros de S. João e Olival Queimado e a associação de Apoio Social de Casebres para o fornecimento de refeições aos alunos do ensino básico.

O executivo aproveitou ainda a reunião para informar que o presidente da Câmara e o vereador da Educação tiveram, recentemente, uma reunião com a Direcção Regional de Educação, em Évora, para expor a necessidade de colocação de mais uma auxiliar na Unidade Multideficiência.

Na reunião ordinária de ontem foi aprovada ainda a alteração dos tarifários de águas residuais e domésticas e resíduos sólidos urbanos para 2017. Os valores não foram referidos mas a proposta foi aprovada apenas pela maioria CDU, com o PS a votar contra dizendo, pela voz de Isabel Vicente, que “no último ano os munícipes viram as suas facturas duplicar” e que não concordam “com mais aumentos”.