A importância da formação dos empreendedores, a escolha de um local para implementar o negócio, o tipo de financiamento e a obtenção dos licenciamentos foram alguns dos assuntos abordados no primeiro seminário sobre Empreendedorismo do Mar do distrito de Setúbal organizado pela associação MAR7, na passada quarta-feira, na sede da Autoridade Portuária de Setúbal e Sesimbra (APSS). A iniciativa contou com presença do Secretário de Estado do Mar e de vários representantes de entidades e empresas relacionadas com o mar.

“Felicito a MAR7 pela realização deste primeiro seminário regional que mostra a ambição de crescer. É importante que as iniciativas regionais se tornem exemplos a nível nacional”. Foi desta forma que o Secretário de Estado, Manuel Pinto de Abreu, iniciou a sua intervenção naquele que foi o primeiro seminário sobre empreendedorismo do mar promovido pela associação MAR7.

O representante do Governo falou da estratégia nacional para o mar, apoiada pela Comissão Europeia para os assuntos do mar. “Esta é uma estratégia que está aberta à mudança e que precisa do contributo de todos os portugueses para poder colmatar as suas insuficiências”.

A estratégia nacional para o mar assenta no desenvolvimento de projetos relacionados com todas as áreas ligadas ao sector marítimo, com destaque, para as pescas. “Em Setúbal ouvi críticas de que se falava pouco de pescas e de pescadores. Na altura não tinha esses dados mas chegámos à conclusão que mais de 70 por cento dos projetos são dirigidos ou têm algo a ver com as pescas e os pescadores”, afirmou o Secretário de Estado.

Para além da estratégia nacional para o mar, o governante falou ainda sobre a Lei de Bases de Gestão e Ordenamento dos Espaços marítimos, cuja regulamentação está a ser finalizada. “Uma lei de bases que tem insuficiências, que pode ser melhorada, mas que existe e que está já hoje a ser copiada a nível internacional”, assegurou o governante. Manuel Pinto de Abreu sublinhou ainda que uma das principais dificuldades prende-se com o licenciamento, um processo que “deve ser agilizado, para que se torne mais célere”.