Joaquim Santos agradado com inclusão de novo hospital no OE mas alerta para necessidade de mais meios. O presidente da Câmara do Seixal confessa-se satisfeito, mas lembra a necessidade de reforçar as unidades hospitalares de Almada, Barreiro e Setúbal

A Câmara Municipal do Seixal recebeu “com agrado” a notícia de que a construção do hospital do Seixal se encontra prevista no Orçamento do Estado (OE) para 2017 e que a Administração Regional de Saúde e Vale do Tejo (ARSLVT) pretende avançar com a candidatura a fundos europeus para a construção do Centro de Saúde de Corroios”. Contudo, vinca que é necessário apostar na ampliação do hospital de Almada e no reforço médico dos hospitais de Barreiro e Setúbal.

“Estes equipamentos [novo hospital para o Seixal e Centro de Saúde de Corroios] são há muito reivindicados pela população que sofre as consequências da falta de cuidados de saúde que se fazem sentir no concelho, servido apenas pelo saturado Hospital Garcia de Orta [Almada] e por centros de saúde que funcionam só até às 18h00”, disse o presidente da Câmara Municipal do Seixal, Joaquim Santos, em declarações ao DIÁRIO DA REGIÃO.

O autarca, porém, alerta para a necessidade de maior investimento na área da saúde na região. “Importa referir que, além da construção do Hospital no Seixal, é importante precaver um conjunto de outras medidas, quer ao nível dos hospitais, quer ao nível dos centros de saúde para se continuar a reforçar a saúde na região, entre as quais o reforço dos outros hospitais: o Hospital Garcia de Orta, com ampliação, e os do Barreiro e Setúbal com mais médicos e enfermeiros”, observa. Joaquim Santos lembra que na Península de Setúbal “existem 1 300 camas hospitalares em falta em relação à média do País” e que são precisos “mais 700 médicos hospitalares para fazer face às necessidades existentes”. Isto, reforça o autarca a concluir, além de “várias dezenas de milhar de pessoas sem médico de família”, o que “indica claramente que é necessário continuar a investir nas respostas hospitalares na região”.

Arranque da obra previsto para esta legislatura

O novo hospital para o Seixal está contemplado no Orçamento do Estado (OE) para 2017, no capítulo dedicado à Saúde. O projecto para o Seixal, de acordo com o que é referido no documento, será lançado, em articulação com o Ministério das Finanças, tal como as unidades hospitalares de Évora e Lisboa Oriental.

O Ministério da Saúde já havia estimado que, dentro de cinco ou seis anos, os três novos hospitais poderiam estar a funcionar. A inscrição não só da unidade hospitalar para o Seixal como também para as de Évora e Lisboa Oriental no documento vem, assim, confirmar a aposta que o Governo já havia assumido pretender executar na área da Saúde. De resto, tal como o DIÁRIO DA REGIÃO noticiou oportunamente, Manuel Delgado, secretário de Estado da Saúde, também já havia revelado, durante uma visita a Azeitão, Setúbal, que a nova unidade hospitalar do Seixal, a par da de Évora e da de Lisboa, estava incluída entre as três prioridades da tutela para novos hospitais, sublinhando até que o Seixal irá funcionar como “tampão” para reduzir pressão sobre o Garcia de Orta, de Almada. A construção do novo hospital do Seixal deverá arrancar ainda durante a actual legislatura – que termina em 2019 – afirmou então o secretário de Estado.