O presidente da Câmara e a vereadora socialista, Maria Clara Silva, criticaram “ligeireza” com que o social-democrata lançou o debate. Funcionário do Gabinete de Comunicação no epicentro de “suspeição”

Uma troca de argumentos na rede social Facebook, entre um militante socialista e um funcionário autárquico, foi apresentada pelo vereador Pedro Vieira (PSD), na reunião do executivo camarário, na última quarta-feira, com o social-democrata a pedir a intervenção do presidente da autarquia, Nuno Canta. Pedro Vieira pretende ver aberta uma investigação sobre um relato, produzido na página “Montijo sem censura com cultura”, de que um funcionário autárquico terá produzido imagens para um livro que a autarquia terá posteriormente adjudicado “a uma empresa da qual o mesmo funcionário é sócio”.

Falou-se em suspeita de corrupção, apontou-se o dedo ao Gabinete de Comunicação da autarquia e gerou-se desconforto e um debate aceso, com críticas à forma como Pedro Vieira apresentou a situação.

“Na Internet dizem-se muitas coisas. A Internet é um mundo completamente virtual, sem qualquer responsabilidade, onde quase toda a gente escreve quase o que quer. Se não sabe disso, é muito ingénuo”, começou por dizer Nuno Canta, apelando “encarecidamente” às responsabilidades de Pedro Vieira, no sentido de este apresentar provas. “Está a dizer uma coisa que coloca em causa uma série de trabalhadores e pessoas, de um determinado serviço. Se o senhor não tem essa consciência…”, adiantou o presidente da autarquia, logo secundado pela intervenção da vereadora Maria Clara Silva.

“Não estamos numa mesa de café. Estamos numa reunião de câmara, na qual todos temos responsabilidades. O senhor é vereador, só tem uma posição a tomar: é propor que se instale um inquérito disciplinar às pessoas visadas ou aos serviços visados. Não pode chegar aqui e afirmar, porque se diz na Internet, que há indícios de corrupção, neste ou naquele gabinete da Câmara e deixar isso em acta sem agir. Se traz esse assunto aqui, tem de tomar uma atitude”, disse a socialista para o social-democrata.

Inquérito, investigação ou difamação

“Por que é que ainda não comunicou ao Ministério Público? Se não tem prova cabal, cala-se”, atirou de seguida Nuno Canta, com Pedro Vieira a defender: “A declaração solicita três coisas, não refere nunca que tem uma prova cabal. O que tenho é intervenções de várias pessoas na Internet… mas estão aqui os nomes das pessoas, não são incógnitas. Isto vale, e como vale, o senhor presidente não vai proceder a uma investigação? O senhor tem um auditor interno para promover isso ou então não promove.”

Maria Clara Silva retorquiu que deveria ser Pedro Vieira a apresentar uma proposta à câmara para que fosse aberto um inquérito à situação, dado ser o social-democrata quem está na posse da informação e Nuno Canta considerou a actuação de Pedro Vieira como “uma total irresponsabilidade política”.

“A política local perde muito com este tipo de atitudes e com esta indignidade… O senhor trouxe aqui uma suspeição, como tem sido seu timbre ao longo deste mandato. Está em permanente suspeição”, acrescentou o presidente da Câmara, para a vereadora socialista lembrar de seguida ao social-democrata: “O senhor está aqui a difamar as pessoas e está sujeito a ter um processo por difamação.”

“Eu apenas li o que aqui está escrito”, defendeu Pedro Vieira, sem escapar a uma dura crítica do presidente da autarquia. “O vereador Pedro Vieira não é aquilo que se pinta. É o pior político, no sentido da palavra. Você é o pior político que alguma vez vi nesta Câmara, porque não sabe o que é ética republicana, não sabe o que é ser um homem honrado relativamente à actividade política”, disparou Nuno Canta.

Já o vereador da CDU, Carlos Jorge de Almeida, solicitou cópia da declaração do vereador do PSD e reservou o direito de se pronunciar numa próxima reunião.

Frases soltas

“… quer fazer da Câmara uma coutada de três eleitos e dos vereadores da oposição uma corte de fiéis e leais servidores”, Carlos Jorge de Almeida para Nuno Canta

“Não estamos numa mesa de café”, Maria Clara Silva para Pedro Vieira

“Você é o pior político que alguma vez vi nesta Câmara”, Nuno Canta para Pedro Vieira

“O vereador sai daqui com a sua credibilidade de rastos… afirma coisas que não se comprovam”, Nuno Canta para Pedro Vieira

“Vá mas é para a tourada, que fica lá muito bem”, Pedro Vieira para Nuno Canta

“Vá você”, retorquiu Nuno Canta